Professora da universidade Lund liberta estudante de zona de guerra do Estado Islâmico

Reprodução/Twitter

Publicado originalmente no The Local

Traduzido por Walter Niyama

Charlotta Turner, professora em química analítica, recebeu um texto de um de seus alunos, Firas Jumaah, em 2014, dizendo-lhe para presumir que ele poderia não terminar sua tese caso não retornasse dentro de uma semana.

Ele e sua família estavam, ele disse a ela, se escondendo em uma fábrica abandonada de alvejantes, com os sons dos tiros de guerreiros do ISIS vagando pela cidade e reverberando ao redor deles. Jumaah, que é do Iraque, é membro do grupo étnico-religioso Yazidi odiado pelo ISIS.

“Eu não tive esperança alguma”, disse Jumaah à revista LUM da Universidade de Lund. “Eu estava desesperado. Eu só queria dizer a minha supervisora o que estava acontecendo. Eu não tinha ideia de que uma professora seria capaz de fazer qualquer coisa por nós.”

Jumaah entrou voluntariamente na zona de guerra depois que sua esposa o ligou para dizer que os combatentes de ISIS haviam tomado o vilarejo ao lado, matando todos os homens e levando as mulheres à escravidão.

“Minha esposa estava totalmente em pânico. Todo mundo ficou chocado com o comportamento do EI”, disse ele. “Peguei o primeiro avião para ficar com eles. Que tipo de vida eu teria se alguma coisa tivesse acontecido com eles lá?”

Mas Turner não estava disposta a deixar seu aluno morrer sem tentar fazer alguma coisa. “O que estava acontecendo era completamente inaceitável”, disse ela à LUM. “Fiquei tão irritado que o EI estava invadindo o nosso mundo, expondo meu aluno de doutorado e sua família a isso e interrompendo a pesquisa”.

Entrou em contato com o então chefe de segurança da universidade, Per Gustafson.

“Era quase como se ele estivesse esperando por esse tipo de missão”, disse Turner. “Per Gustafson disse que tínhamos um acordo de transporte e segurança que se estendia por todo o mundo”.

Durante alguns dias de intensa atividade, Gustafson contratou uma empresa de segurança que então organizou a operação de resgate.

Poucos dias depois, dois Landcruisers carregando quatro mercenários fortemente armados entraram na área onde Jumaah estava escondido, e o levaram para o Aeroporto de Erbil, junto com sua esposa e dois filhos pequenos.

“Eu nunca me senti tão privilegiado, tão VIP”, disse Jumaah à LUM. “Mas ao mesmo tempo eu me senti como um covarde quando deixei minha mãe e irmãs atrás de mim.”

Felizmente, o resto de sua família sobreviveu à ocupação Isis, enquanto Jumaah, de volta à Suécia, completou seu doutorado e agora trabalha para uma empresa farmacêutica em Malmö. A família está perto de terminar de pagar a universidade pela operação de resgate.

“Foi um evento único. Até onde eu sei, nenhuma outra universidade jamais se envolveu em nada parecido”, disse Gustafson.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!