PSL entra na lista de “mortos do Bolsonaro”. Por Fernando Brito

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Evaristo Sá / AFP

PUBLICADO NO TIJOLAÇO

POR FERNANDO BRITO

Como a soma dos 27 signatários da lista de deputados que visa derrubar o atual líder do PSL na Câmara dos Deputados com a dos 32 subscritores do pedido para manter o Delegado Waldir no posto dá 59 e o PSL tem apenas 53 parlamentares, é óbvio que uma (ou ambas) sejam uma fraude.

E, depois que a Época publicou um áudio onde o próprio Jair Bolsonaro articula a formação dos “27 por Dudu”, em favor do próprio filho, não resta qualquer dúvida política qual delas tem a marca da interferência do governo sobre o partido, ainda que este seja um amontoado.

Está patente, no Congresso, que – como se escreveu aqui quando começava esta crise – o presidente é um elemento desagregador e qualquer partido que o absorva trará uma bomba engatilhada para dentro de si.

Mesmo com advogados “top” e sem pudor – uma é contratada do partido que ataca e outro, Admar Gonzaga, não se peja de, tendo saído em abril do TSE como ministro, voltar agora como advogado de uma evidente judicialização de uma disputa interna de partido – é praticamente impossível que se possa tomar “no tapetão” a sigla do grupo de Luciano Bivar.

Bolsonaro, provavelmente, irá para um partido nanico, cujo “dono” atual se disponha a ser o “Bivar 2.0”, onde seja possível manter a seita.

Mas antes, como fez sempre, desde que se meteu na história de explodir uma bomba num quartel do Exército, fará seu trabalho de demolição, deixando em ruínas o partido que o abrigou.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!