Pugliesi, a festa do fim do mundo e o egoísmo canalha da elite. Por Nathalí

Gabriela Pugliesi publicou imagens de festa em casa, depois apagou e pediu desculpas — Foto: Reprodução/Instagram/gabrielapugliesi

Tem de tudo na quarentena: live de bêbado, meme de velhinho fugindo de triciclo, gado se aglomerando pra pedir intervenção militar, Bonner pedindo calma, gente rica perdendo a noção… Sobretudo gente rica perdendo a noção.

A influenciadora digital Gabriela Pugliesi – instagrammer fitness (???), uma das tantas coisas esquisitas da geração Z – por exemplo, resolveu dar uma festa no meio da pandemia.

Coronafest: além de ser a festa mais badalada do fim do mundo, dá direito a coroa de flores e vídeo com o meme do caixão.

Pugliesi, vale lembrar, já testou positivo para o coronavírus no início do mês de março, na festa de casamento de sua irmã num resort de luxo em Itacaré-BA.

Vários convidados saíram doentes do evento – entre eles a cantora Preta Gil – graças a um empresário recém-chegado dos Estados Unidos que, mesmo sabendo da pandemia e da necessidade de isolamento, assumiu o risco de infectar todos os outros convidados. O importante é não perder a festa bafo.

Quando infectada, Pugliesi se dizia preocupada com a pandemia e pedia que seus seguidores ficassem em casa e seguissem as recomendações das autoridades.

Agora dá uma festa em casa com vários convidados sem máscara e transmite tudo no Instagram. Coronavírus? se me preocupei, não me lembro.

Incomodada com o comportamento desrespeitoso da blogueira, a apresentadora e humorista Tatá Werneck escreveu no post de Pugliesi um comentário capaz de deixar qualquer um com a cara no chão:

“Gabriela vc vai me achar uma babaca depois desse comentário. Mas eu acho menos importante isso do que alertar as pessoas. Tão pedindo caminhão pros hospitais . Pq tá um caos. Minha prima médica ( que pegou ) chega chorando em casa. Pq eles JÁ tem que escolher sem salvar. Vc já teve. Está teoricamente “imune”. Eu acho que essa atitude , ainda mais pra um monte de gente que te segue e se inspira na sua vida saudável foi inadmissível”.

Que falta faz uma pitada de sensatez no mundo de vidro dos blogueiros fitness, né? – obrigada, Tatá.

Dar uma festa no meio de uma pandemia – e, para além disso, se sentir autorizada a postar tudo na internet – é a cara da elite brasileira sem noção, egoísta e incivilizada. O rico no Brasil – que sabe-se acima da lei – quer estar acima também da quarentena, da pandemia, do vírus, e se possível, da morte.

E daí se o sistema de saúde entrar em colapso, se milhares de pessoas morrerem, se a economia quebrar, se o terceiro mundo jamais for o mesmo? O rico não liga, porque senso de coletividade está fora de seu espectro e de seu vocabulário.

Desta vez, ao que parece, a casa caiu. O xépo de Tatá Wernek não foi a única consequência para Pugliesi, que perdeu vários patrocínios depois do ocorrido.

Ao se dar conta da repercussão negativa, ela publicou um vídeo em seu Instagram para se desculpar. “Estou extremamente arrependida, mal comigo mesma. Fui irresponsável e imatura. Peço desculpas a quem se sentiu ofendido.”

O mundo se sentiu ofendido. É fácil pedir desculpas nos stories depois da merda feita.

Pede desculpas pra quem perdeu parentes e amigos pro corona. Pede desculpas aos profissionais de saúde, aos que precisaram parar de trabalhar e seguem desamparados enquanto você dança na sala.

Para a próxima social do fim do mundo, um brinde ao egoísmo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!