O papel da mídia na Lava Jato segundo Sérgio Moro. Por Paulo Nogueira

morozgvnc_file

Qual o papel da mídia na Lava Jato?

Esta é a questão que caberá a Sérgio Moro responder num encontro neste final de novembro da associação dos editores de revistas, a Aner.

Soube disso por Paulo Henrique Amorim, e só não fiquei espantado porque já vi tantos absurdos que perdi o direito de me surpreender.

Nem os donos de revistas e nem Sérgio Moro parecem ter noção de uma coisa chamada conflito de interesses.

Num mundo menos imperfeito, a Justiça e a imprensa manteriam uma distância sagrada e inviolável porque é dever de cada uma delas fiscalizar a outra.

Mas no Brasil Justiça e imprensa têm uma relação promíscua, para mal da sociedade.

O pior é que juízes e jornalistas parecem não ter ideia disso. E aí é aquela coisa: quando você não sabe o problema não vai descobrir a solução.

Você encontra fotos e mais fotos de jornalistas como Merval e Reinaldo Azevedo abraçados a juízes como Gilmar Mendes, como se pertencessem à mesma torcida organizada de um clube.

Em algum momento no futuro, e esperamos que quanto antes, esta relação abjetamente íntima não será mais tolerada.

Jornalista não tem amigo, disse famosamente talvez o maior deles, Joe Pulitzer, ele mesmo imerso numa absoluta solidão para desempenhar suas funções de editor.

Juiz também não deveria ter, pelas mesmas razões: como julgar um amigo?

Que Moro ignora isso já tinha ficado claro quando ele, claramente deslumbrado, subiu a um palco para receber um prêmio da Globo.

Mais recentemente, ele abraçou o tucano João Dória numa palestra para empresários. Tutti fratelli, pareciam dizer. Todos irmãos.

Mas agora ele superou, dado o papel destrutivo e desonesto das revistas na cobertura da Lava Jato, sobretudo a Veja de Giancarlo Civita.

Se tivesse algum conhecimento jornalístico, Moro diria, diante da pergunta que lhe competirá responder: apurar as coisas com cuidado.

Jamais fazer, por exemplo, o que a Veja fez no segundo turno ao publicar uma capa com uma afirmação do delator Youssef que se comprovou absolutamente falsa.

Para lembrar, a revista disse que o delator afirmara que Dilma e Lula sabiam de tudo no escândalo da Petrobras.

Isso quase deu a vitória a Aécio, tamanha a exploração dessa falácia pela Veja no maior colégio eleitoral do país, São Paulo.

Quando vieram à luz os fatos, alguns meses depois, com a publicação da delação real de Youssef, ficou claro que ele não dissera o que a Veja lhe atribuíra.

Dilma prometeu processar a Veja, mas aparentemente ela – infelizmente para a sociedade, vítima do gangsterismo da revista – desistiu.

Quanto a Moro, já que ele não tem conhecimento nenhum para falar com propriedade de qual deveria ser o papel da mídia numa operação com a Lava Jato, ao menos ele poderia ser breve e responder, com os fatos que estão aí.

Sua resposta caberia numa linha curta: “O papel da mídia é publicar vazamentos escolhidos para matar o PT.”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!