Que moral tem o bolsonarista Carlinhos Mendigo pra criticar qualquer outro pai, cis ou trans? Por Nathalí

Crédito: Reprodução/Instagram
Carlinhos Mendigo ataca Thammy Miranda e condena adoção por transsexual

Depois de Silas Malafaia, foi a vez de Carlinhos Mendigo disparar ofensas contra Thammy Miranda – o filho transexual da cantora Gretchen que estrelou a campanha publicitária do dia dos pais da Natura. “Prefiro ser órfão do que ser adotado por uma mulher operada”, escreveu.

Talvez você esteja se perguntando: quem é Carlinhos Mendigo?

O humorista Carlinhos Silva, cujo personagem mais famoso, tanto no rádio quanto na TV,  é justamente o Mendigo, do programa Pânico, era morador de rua e viveu na Praça da Sé e na FEBEM antes de virar humorista.

Participou de “A Fazenda”, aquele reality de subcelebridades da Record, e foi repórter de alguns programas na mesma emissora. Hoje é conhecido como “ex-pânico” (e isso foi o máximo de sucesso que atingiu na vida), uma daquelas múmias retrógradas que se tornaram símbolo de mal gosto.

Mas não é pelos feitos na carreira que Carlinhos é mais conhecido: é pelas polêmicas. “Cada dia que passa, mais eu entendo o goleiro Bruno”, postou certa vez numa rede social, referindo-se ao feminicida que matou a mãe no próprio filho e lançou seu corpo aos cachorros pra não pagar pensão alimentícia – aquele pai padrão Família Tradicional Brasileira.

Talvez a empatia ao feminicida tenha uma explicação bastante óbvia: a ausência de Carlinhos Mendigo na vida do filho, Arthur, fruto de relacionamento com a ex-dançarina do Gugu Aline Hauck, não é segredo pra ninguém.

Aline inclusive já contou em um programa de entrevistas que o humorista cortou o plano de saúde do filho, e que em seu último aniversário, apesar de ter homenageado a criança no Instagram, sequer telefonou.

“Mais um aniversário do filho que seu silêncio se fez presente. Mais uma data sem sequer uma ligação”, postou em uma rede social.

O humorista, em vez de enfiar a língua de volta na boca e fingir demência, printou a publicação e disparou ofensas gordofóbicas públicas contra Aline: “Não vai ser do seu jeito, baleiaaaaaaa”, descumprindo uma medida protetiva concedida judicialmente à ex.

A medida proíbe que ele faça qualquer tipo de contato com Aline, mesmo que virtualmente. Por tê-la descumprido, o humorista terá sua conta no Instagram tirada do ar por decisão judicial.

É essa pessoa, com esse currículo invejável de polêmicas, confusões e mal-caratismo, que pretende criticar publicamente um homem transsexual que precisa afirmar sua paternidade diante de uma nação que mais parece uma teocracia neopentecostal.

É esse o modelo de pai que os conservadores esperam?

A resposta, infelizmente, é sim.

Carlinhos Mendigo, tanto quanto o feminicida pelo qual ele se compadece, tanto quanto Malafaia e sua turma, representa, em grande parte, o chefe da família tradicional brasileira.

Aquele que vai comprar cigarro e nunca mais volta. Aquele que obriga a amante a abortar. Aquele que faz de tudo pra não pagar pensão alimentícia – de tudo mesmo, desde exposição nas redes sociais até homicídio. Aquele que é muito #Família no Instagram, mas, na vida real, é o bom e velho pai fantasma – as mais de cinco milhões de crianças sem o nome do pai no registro de nascimento que o digam.

Thammy Miranda não nasceu com um pinto, mas é mais pai que muitos dos “pais” tradicionais e está presente no aniversário e na troca de fraldas do filho.

Se para cada criança órfã existisse um Thammy Miranda, viveríamos num mundo melhor que este, talvez um mundo sem ex-órfãos violentos como Carlinhos Mendigo.

Isso é que é modelo de pai – e deveria ser, com o perdão do trocadilho, o novo normal.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!