Queiroz, o operador da família Bolsonaro, já está na gaiola. Agora falta o passarinho cantar. Por Joaquim de Carvalho

Queiroz fechado com e por Bolsonaro

Fabrício de Queiroz chegou ao presídio de Benfica, como mostra a imagem acima. Ainda não há informação sobre a permanência dele nessa cadeia.

Benfica é a porta de entrada do sistema prisional no Rio de Janeiro.

Ele poderá ser transferido para outro presídio.

Como a prisão dele é preventiva, não há data para o término.

Operador da família Bolsonaro, que hoje ocupa cargos importantes no país, como a Presidência da República, ele é considerado poderoso.

Em tese, pode interferir no andamento das investigações.

Em casos assim, é normal que permaneça preso até a sentença judicial.

A mulher, Márcia Oliveira de Aguiar, também teve a prisão decretada, e está foragida.

A chance de Queiroz recuperar a liberdade é se acertar uma delação premiada.

Queiroz estava escondido na casa de Frederick Wassef, em Atibaia, a 40 quilômetros de São Paulo.

Wassef é homem de confiança da família Bolsonaro.

A intimidade é tanta que o chefe do clã o chamaria, carinhosamente, de Anjo.

Por esta razão, a operação de hoje foi batizada esse apelido.

Wassef é um personagem controverso.

Em 1992, era chamado de bruxo e teve a prisão decretada por conta do assassinato de crianças em Guaratuba, no Paraná, atribuído à seita satânica Lus, da qual ele era divulgador, segundo a polícia apurou à época.

Curiosamente, em 1992, os policiais estiveram na mesma casa onde Queiroz foi escondido. Era para levar Wassef preso, mas ele não foi encontrado.

O caso foi registrado pelo Jornal do Brasil.

Wassef negou, em entrevista a Veja, que tenha sido alvo desse mandado. Porém, a notícia foi publicada no jornal.

A palavra de Wassef, no entanto, vale tanto quanto a de Jair Bolsonaro, notório mentiroso.

Em setembro, ao dar entrevista para Andrea Sadi, da Globonews, ele foi perguntado sobre o paradeiro de Queiroz.

“Não sei, não sou advogado dele”.

Segundo policiais civis que o prenderam hoje, Queiroz estava escondido lá há mais de um ano. Portanto, Wassef mentiu.

Dar abrigo a Queiroz não era crime até então, já que o operador da família Bolsonaro não tinha mandado de prisão contra ele.

Porém revela que Wassef e a família Bolsonaro queriam ter controle sobre ele. E, efetivamente, tinham.

Um policial que participou da operação Anjo chegou a comentar que Queiroz seria uma espécie de refém da família Bolsonaro.

Só o depoimento de Queiroz poderá confirmar se esta afirmação procede.

O fato é que, há poucos dias, a esposa de Fabrício postou na rede social que considerava o marido preso, mas com poder.

“Tá preso dando ordens aqui fora, resolvendo tudo”, escreveu.

Esta manifestação teria sido considerada para o decreto de prisão de Queiroz, pois revelaria ascendência sobre outros investigados.

A preventiva não tem data para terminar. A chance de recuperar a liberdade, ainda que provisória, está no acerto com o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro para uma delação premiada.

Com a delação, se poderá saber, realmente, por que depositou dinheiro até na conta da primeira-dama da república, Michelle Bolsonaro.

Na gíria policial, Queiroz pode ser chamado de passarinho. E já está na gaiola. Agora só falta cantar.

Jornal do Brasil noticiou que Wassef seria preso na investigação sobre seita satânica

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!