Quem é a dupla que está governando o Egito

O juiz Adli Mansur é o presidente interino, mas quem manda mesmo é o general Abdel-Fattah el-Sissi.

O general Abdel Fattah El-Sissi
O general Abdel El-Sissi

Publicado originalmente na DW.

O juiz Adli Mansur foi empossado como presidente interino no Egito após a saída de Mohammed Morsi, mas a verdadeira força motriz do governo é militar, liderada pelo general Abdel-Fattah el-Sissi.

Sissi havia anunciado a expulsão de Morsi em um discurso transmitido pela televisão na noite anterior. Após dias de protestos em massa contra Morsi, o general tinha dado ao primeiro presidente democraticamente eleito no Egito um ultimato de 48 horas para responder à vontade do povo. Até que novas eleições sejam convocada, Mansour servirá como presidente interino, juntamente com um governo de tecnocratas.

“Mansur é relativamente desconhecido no cenário político do Egito”, diz Christian Achrainer, cientista político no Conselho Alemão de Relações Exteriores (DGAP). Aos 67 anos, Mansur vinha trabalhando para o tribunal constitucional do país desde 1992 e estava empossado como presidente do tribunal por apenas dois dias, quando os militares Morsi destituído. Morsi tinha nomeado Mansur para o cargo após seu antecessor, Maher al-Behairis, se aposentar no final de junho.

Uma nova lei que entrou em vigor depois de Hosni Mubarak ser derrubado forçava o presidente a nomear um dos três vice-presidentes com mais tempo de serviço como presidente do tribunal.

Durante a briga entre o governo de Morsi e o Judiciário, Mansur manteve um perfil discreto, de acordo com Achrainer. Morsi havia suspendido as emendas à Constituição e retirado do tribunal constitucional seu direito de decidir sobre a legitimidade da Comissão Constitucional, que foi dominada pelos islamitas de Morsi.

Em junho, o Supremo Tribunal Constitucional tinha considerado ilegal a câmara alta do parlamento, que foi dominada pela Irmandade Muçulmana.

Apesar de seu baixo perfil, Mansur foi envolvido em algumas decisões importantes após a queda de Mubarak. “Antes das últimas eleições presidenciais, ele foi uma das pessoas que lutaram para os adeptos do antigo regime serem autorizados a participar na votação”, diz Achrainer, “o que não vai trabalhar a seu favor”. Nem a sua longa carreira no Judiciário sob Mubarak.

Mas os militares são a força mais poderosa do país – agora, tanto quanto depois do golpe de 1952 e após a queda de Mubarak, em 2011.

“Sem as forças armadas, Mansur não seria presidente. Eles estão no banco do motorista”, diz Ronald Meinardus do bureau da Fundação Friedrich-Naumann, no Cairo.

Abdel Fattah el-Sissi é o chefe das forças armadas. Ele conseguiu apontar Hussein Tantawi como ministro da Defesa em agosto de 2012 e é um muçulmano praticante. Mas ele também foi “educado na tradição do nasserismo”, diz Meinardus. “O exército egípcio tem essa tradição. Os oficiais são realmente seculares.” O ex-presidente Abdel Nasser era conhecido como um crítico veemente da Irmandade Muçulmana.

Aos 58 anos, El-Sissi é um dos generais mais jovens e não serviu nas guerras contra Israel em 1967 e 1973. Após a queda de Mubarak, tornou-se o mais novo membro do Conselho Supremo Militar e chefe do serviço de inteligência militar.

Depois que Mubarak renunciou, el-Sissi foi chamado a tentar justificar o assédio sexual das mulheres egípcias por soldados “testes de virgindade”. Após críticas ferozes da comunidade internacional, ele revisou sua posição e anunciou o fim de tais “provas”, como ele as chamou.

“A ditadura dos militares após a queda de Mubarak não foi exatamente uma fase gloriosa na história do Egito”, diz Meinardus sobre o tempo em que Tantawi liderou o conselho militar por 17 meses e deu-lhe poderes políticos radicais.

Com a nomeação de Mansur como presidente interino, o exército não está no centro do palco neste momento. Sissi disse à imprensa que os militares ficariam “bem longe da política.”

A constituição islâmica que Morsi tinha posto em prática já foi suspensa e uma nova comissão foi criada para trabalhar em uma nova Constituição, que será submetida a um referendo.

Mas os interesses dos militares estão sempre em segundo plano, de acordo com Achrainer. “O império econômico dos militares não deve ser colocado em perigo, e os líderes do país não devem se envolver em assuntos militares”, diz ele.

Sob Morsi, os militares se sentiram ameaçados e decidiram agir.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!