Quem é David Choquehuanca, o vice de Arce na vitoriosa campanha da Bolívia

David Choquehuanca pode estimular a autocrítica dentro do governo – Ronaldo SCHEMIDT / AFP

Publicado originalmente no site Brasil de Fato

POR DANIEL GIOVANAZ

Depois de 13 anos liderado por um presidente indígena e ex-dirigente sindical, Evo Morales, o Movimento ao Socialismo (MAS) está prestes a voltar ao governo da Bolívia. Desta vez, sob comando de Luis Arce, oriundo da classe média, sem vínculo histórico com organizações de trabalhadores e com maior circulação entre setores empresariais e a academia.

O cabeça de chapa nunca foi unanimidade. Os plantadores de coca da região andina apostaram todas as fichas em David Choquehuanca, ex-dirigente sindical da Confederação Sindical Única de Camponeses da Bolívia. Pesou a favor de Arce o crescimento recorde da Bolívia nos anos em que ele liderou o Ministério de Economia e Finanças Públicas de Morales.

Com o ex-presidente Evo Morales exilado e impedido de se candidatar, o MAS encontrou em Choquehuanca as características que buscava para um vice: experiência em gestão e afinidade com as organizações sindicais e camponesas do país. A vantagem de 20 pontos percentuais demonstrada na boca de urna e na apuração parcial dos votos indica que a escolha foi acertada.

Complementar

Descendente de aimarás, David Choquehuanca tem 59 anos, nasceu em uma comunidade às margens do lago Titicaca, o mais alto do mundo, e se define como anticapitalista e anti-imperialista. Líder indígena e camponês, atuou lado a lado com Evo Morales por quase 30 anos, no movimento popular e no governo.

Em 2006, quando assumiu o cargo de chanceler da Bolívia, seu gabinete chamava atenção por um “entra-e-sai contínuo de representantes dos movimentos sociais” – como descrito em reportagem do Estadão à época.

As relações exteriores da Bolívia, sob seu comando, foram marcadas pelos esforços para integração latino-americana, sem rompimento com os governos de direita do continente. Essa escolha se refletiu até os últimos meses de governo. Em 2019, por exemplo, Morales veio ao Brasil e cumprimentou Jair Bolsonaro pela posse presidencial.

Claudia Peña, ex-ministra de Autonomias da Bolívia, ressalta a diferença entre a transição boliviana de agora e aquela que ocorreu no Equador em 2017. Na época, Lenin Moreno assumiu o governo apoiado pelo ex-presidente Rafael Correa, mas rompeu com a base social do antecessor e foi acusado de traição.

 

“Quando se discutiu quais seriam os candidatos do MAS nessa nova eleição, David Choquehuanca era um dos favoritos no altiplano boliviano, que representa menos da metade do território nacional”, lembra Peña.

“A candidatura de Arce se impôs por seu conhecimento econômico e pela representatividade dos setores de classe média. Não me parece que ele vai ser um Lenin Moreno porque ele estava no coração de decisões econômicas que responderam aos princípios da redistribuição, privilegiando as necessidades dos setores mais empobrecidos.”

Sobre a importância do vice na chapa, a ex-ministra do MAS ressalta que o golpe trouxe à tona a necessidade de fortalecimento da luta indígena.

“Arce tem o conhecimento econômico, sabe manejar o aparato estatal, mas não necessariamente tem representatividade junto aos setores populares”, pondera. “David Choquehuanca, sim, representa os setores populares, os povos indígenas e a identidade profunda da Bolívia. Há uma complementaridade muito interessante, que vai requerer diálogo e negociação constantes.”

O desafio da sucessão

Desde os governos Morales, a vice-presidência tem um papel central na elaboração de políticas públicas. O prédio onde até 2019 funcionava o gabinete do então vice Álvaro García Linera era palco de debates, pesquisas e reflexões sobre o processo de transformação vivido pela Bolívia.

O historiador Luis Dufrechou analisa que o novo vice deve aprofundar esse processo. “Haverá uma maior autocrítica sobre o legado de Evo Morales. Choquehuanca já se mostrou bastante crítico na campanha, sobre a figura de Evo particularmente, e sobre o erro de ter se lançado à reeleição” [apesar da derrota no referendo de fevereiro de 2016]. Ele foi a figura mais importante do MAS que falou nesses termos de maneira aberta”, afirma.

O historiador define Choquehuanca como “um representante da ala mais indigenista, menos desenvolvimentista e menos tecnocrata do movimento”. Segundo ele, até o retorno de Evo Morales à Bolívia, o papel que o vice terá na gestão ainda é uma incógnita.

“Espero que a figura de Choquehuanca contribua para uma crítica, não destrutiva, mas por dentro”, acrescenta Dufrechou. “Isso poderia ajudar a facilitar a abertura de um novo ciclo de hegemonia do MAS, criticando o que claramente foram os erros do passado mais imediato.”

Semelhanças e diferenças

Assim como Luis Arce, o futuro vice tem formação acadêmica. O diploma que ele considera mais importante, porém, tem o carimbo da Escola Nacional de Formação de Quadros Niceto Pérez, organizada pela Associação de Pequenos Agricultores de Cuba.

Para Choquehuanca, a coca é uma planta sagrada e todos os recursos naturais do solo boliviano devem ser nacionalizados.

Nesse último aspecto, não há grande diferença em relação ao ex-ministro da Economia. Arce liderou o processo de nacionalização dos hidrocarbonetos, embora admita a extração por empresas estrangeiras – com taxas mais elevadas – e estude parcerias com corporações chinesas e alemãs para industrialização do lítio.

As declarações do vice costumam ser mais apaixonadas e taxativas, especialmente quando se refere à presença de transnacionais no país.

Durante toda a campanha, ele enfatizou a necessidade de participação popular nas decisões. “Não devemos deixar a condução de um país somente nas mãos de burocratas”, disse em julho deste ano em entrevista ao portal Diálogos do Sul. “As decisões políticas têm que ser adotadas com a participação de todos e todas, de todos os movimentos sociais, do povo.”

A eleição de Arce e Choquehuanca deve ser oficializada entre quarta (21) e quinta-feira (22). A nomeação dos primeiros ministros, que deve começar em novembro, é aguardada com grande expectativa entre a militância, porque dará pistas sobre o papel que o vice terá no novo governo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!