Quem é o dono da van que sequestrou um ambulante durante o carnaval. Por Donato

A van

As imagens são revoltantes e dignas dos piores momentos dos anos de chumbo. Uma pessoa é colocada à força dentro de uma van. Tudo acompanhado de perto pela polícia que não dá ouvidos aos populares indignados.

A van então sai em disparada. Ela está com as placas ocultadas por um plástico vermelho.

Um sequestro em plena luz do dia?

O episódio se deu na tarde de ontem na avenida Rio Branco, centro do Rio.

A pessoa levada pela van era um vendedor ambulante, tirando sustento durante o carnaval.

Pessoas que estavam no bloco naquele momento se revoltaram e tentaram impedir a ação. Muitos questionaram os agentes da Guarda Municipal pelo fato do veículo estar com as placas camufladas.

O vídeo viralizou.

Mas quem é o dono do carro?

J e F são as iniciais de Jefferson Alves dos Santos e Fernanda do Nascimento. Eles são os sócios da JF Transportes e Turismo, empresa localizada no bairro Vila Elmira, em Barra Mansa (RJ).

Além da van utilizada na sinistra operação (cujas placas encobertas são LLZ-5369), a empresa possui também pelo menos mais um ônibus.

Aberta em junho de 2015, com capital social de R$ 120.000,00, a JF tem como atividades principais, segundo registro na junta comercial, “venda de pacotes de viagem, venda de programas e pacotes turísticos, venda de viagem de turismo, serviços de fornecimento de informações e assessoramento e planejamento de viagens”.

A atividade secundária (código 4929-9-01) é o “transporte rodoviário coletivo de passageiros”.

Ou seja, sequestro não faz parte do portfolio de serviços.

Ônibus da JF

A Secretaria Municipal de Ordem Pública confirmou que a Prefeitura do Rio contratou a van para “dar apoio a Guarda Municipal durante o Carnaval” e “principalmente para o transporte dos agentes que fazem operações nas ruas”.

Informou ainda que “o ambulante foi detido após desacatar e agredir guardas” e que a responsabilidade por irregularidades é do dono do veículo (procurada pelo UOL, a Polícia Civil não informou o paradeiro do ambulante).

O DCM buscou contato com Jefferson Alves dos Santos, dono da JF, pelo número do celular estampado na lateral do veículo.

Sem ser atendida, a reportagem deixou pelo whatsapp as perguntas básicas desse caso:

Foi iniciativa própria ou a mando de alguém? O que fez com a pessoa que sequestrou? Onde ela está? Quanto cobrou pelo serviço?

Até o fechamento deste texto, nenhum contato foi feito por parte da JF Transportes.

Sequestro. Não há outro termo a ser usado nesse caso. Uma pessoa detida, se fruto de alguma atitude ilícita, deveria ser conduzida para a delegacia em uma viatura oficial, numerada, jamais num carro particular com placas escondidas.

Onde está o homem detido? Por que a Secretaria diz “estar investigando” se havia tantos agentes e carros da Guarda Civil ali mesmo, acompanhando e, numa total inversão de atitudes, pareciam estar dando cobertura ao veículo particular que fez as vezes de caveirão?

Se a moda pega….

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!