Quem é Ola Bini, ativista sueco preso no Equador horas depois de Assange

Foto: reprodução

PUBLICADO NO PORTAL BRASIL DE FATO

POR RAFAEL TATEMOTO 

Após a prisão do fundador do Wikileaks, Julian Assange, um programador sueco que vive em Quito, Equador, foi detido pela polícia local nesta quinta-feira (11), enquanto se preparava para embarcar para o Japão, onde participaria de um evento de artes marciais.

Nenhum mandado ou acusação formal foi apresentada contra Ola Bini, que tem autorização para viver e trabalhar no país. Pessoas próximas ao tecnólogo, que teve acesso restrito a advogados, ainda buscam informações sobre as motivações da ação. Algumas versões apontam que a prisão foi realizada com um mandado que tinha como alvo um russo. Também há Informações de que foi realizada uma busca em sua casa e nada suspeito foi encontrado.

A Polícia equatoriana informou que deteve um indivíduo que colaborava com o Wikileaks. No país, Bini foi retratado como um colaborador criminoso de Assange que estaria tramando contra o governo de Lenin Moreno e que teria realizado diversas viagens internacionais com Ricardo Patino, ex-ministro de Relações Exteriores do governo de Rafael Correa (2007-2017), com esse intento. O ex-chanceler repudiou as afirmações.

A prisão de Bini gerou uma onda internacional de indignação. O teórico da tecnologia, Eugeny Morozov, e a Chefe de Tecnologia e Inovação Digital de Barcelona, para quem Ola já prestou serviços, repudiaram a ação equatoriana.

Perfil

Ola Bini é um dos programadores mais reconhecidos mundialmente, trabalhando com softwares livres como um ativista do direito à privacidade. Em uma eleição entre tecnólogos da Suécia, um dos países com uma das mais qualificadas comunidades de tecnologia, foi eleito o sexto mais importante programador do país.

O coletivo com o qual Bini trabalha listou suas ações profissionais, apontando não só sua capacidade para o desenvolvimento de programas, mas das próprias linguagens de programação.

Brasil de Fato conversou com a britânica , documentarista e ativista amiga de Bini. Se mostrando “chocada e supresa”, considerou a prisão como uma situação “bizarra” e “confusa”, já que nada nas atividades do sueco pode ser considerada criminosa.

“Todos conhecem Ola na comunidade [de tecnologia]. Aliás, é uma comunidade pequena. Diversas pessoas que atuam nessa área já estiveram com Assange centenas de vezes. Isso não quer dizer nada. Ele é oposto do que pode ser chamado de hacker, ele atua pela privacidade e segurança digitais”, afirma.

Para Gilbert, a situação no Equador aponta para um risco crescente para a comunidade de desenvolvedores de tecnologia que atuam com privacidade de dados: “É uma loucura, como ele seria capaz de conspirar contra um presidente?”, questiona.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!