Radialista bolsonarista é indiciado por crime de ódio a judeus: “Foi apenas um desabafo”. Por Seles Nafes

O radialista Jota Júnior

PUBLICADO NO BLOG DE SELES NAFES

POR SELES NAFES

Um radialista do Amapá foi indiciado pela Polícia Civil nesta sexta-feira (29) num inquérito que investigou uma mensagem de antissemitismo postada em uma rede social. O ataque foi direcionado ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

O antissemitismo, que é o ódio a judeus, é considerado crime de discriminação de raça, cor, etnia e religião, previsto pelo Código Penal Brasileiro, com penas de 2 a 5 anos de prisão.

O comentário tinha um fundo político, e fazia referência à relação entre o presidente do Senado, que é judeu, e o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido).

Jota Júnior, de 46 anos, afirmou que o governo Bolsonaro tinha em seu desfavor um judeu e publicou a seguinte mensagem abaixo.

“Como pensam os judeus?”

“Os judeus são avarentos Todos, segundo o mito, são pães-duros na gíria popular. Assim, o sentido que se quer dar é de que judeus são perversos e pensam somente em seu bem-estar”.

Delegado Leandro Leite: crime não e comum no Amapá. Foto: Arquivo

“Tal ato de preconceito, hostilidade e discriminação não deve ser tolerado em nossa sociedade e velaremos para coibir essa prática aqui no Amapá”, disse o delegado Leandro Leite, da 6ª Delegacia de Polícia, que tomou o depoimento do radialista por vídeo conferência.

“Graças a Deus não é um crime comum no Amapá. Perdeu muita força ao longo dos anos, e acho que temos que combater e não deixar passar, especialmente por causa do holocausto”, acrescentou o delegado.

Print da postagem depois retirada pelo Facebook: nomes de Davi e Bolsonaro foram borrados na divulgação pela polícia

Ataque foi direcionado ao presidente do Senado, que é judeu.

A postagem, publicada no dia 15 de maio, foi retirada do ar pelo próprio Facebook porque feriu o regulamento de uso da rede social que proíbe apologia a crimes.

O Portal SelesNafes.Com fez contato com o radialista, mas ele não retornou. No próprio perfil dele, no Facebook, disse:

“(…) Direito de expressão virou Racismo no Brasil. Não entendi foi mais nada.
Agora é esperar pra ser preso, por conta de uma simples opinião a favor do Presidente Bolsonaro. Espero que isso chegue até ele. O chefe maior do nosso País”.

O inquérito agora será remetido ao Ministério Público, que poderá ou não oferecer a denúncia à justiça.

Ódio

A Confederação Nacional Israelita do Brasil chegou a publicar uma nota em solidariedade ao parlamentar. 

“Lamento muito. A história já provou que o ódio não é um bom conselheiro. De minha parte reitero o meu firme compromisso de, todos os dias, me mover no sentido de fazer a coisa certa”, comentou o presidente do Senado em resposta à publicação da confederação. 

Depois que esta reportagem foi publicada, o radialista Jota Júnior fez contato e acrescentou que “no meu ponto de vista, foi apenas um desabafo e, não uma conspiração contra os judeus. Eu não sei o que eles pensaram. O que foi dito, será mantido. Eu não tenho nada contra raças e muito menos religiões”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!