Reino Unido financia coligação anti-Maduro na Venezuela

Publicado na AbrilAbril

Juan Guaidó e Boris Johnson

A informação divulgada esta terça-feira pelo diário on-line Daily Maverick tem como base as descobertas realizadas pelo Declassified UK – grupo dedicado ao jornalismo de investigação –, de acordo com as quais 450 mil libras esterlinas (cerca de 500 mil euros) foram transferidas do Fundo de Conflito, Estabilidade e Segurança (CSSF, na sigla em inglês) para a organização não governamental (ONG) Transparencia Venezuela, ramo local da ONG Transparencia Internacional, “para criar uma coligação liderada por um opositor frontal ao governo de Nicolás Maduro”.

A investigação acrescenta que “o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido declarou que desembolsou 250 mil libras em 2019 para estabelecer a Coligación Anticorrupción, que descreve como uma coligação anti-corrupção da sociedade civil e agentes de media livres, para os ajudar a combater a corrupção e o crime organizado na Venezuela”.

Para o período Março-Dezembro de 2020, o Foreign Office deu mais 200 mil libras à Transparencia Venezuela, com o intuito de “fortalecer a sustentabilidade da coligação”, refere a reportagem, acrescentando que esta é dirigida por “alguns dos indivíduos e grupos do país que mais abertamente se opõem ao governo de esquerda de Maduro”.

“Os governos do Reino Unido e dos Estados Unidos reconhecem a figura da oposição Juan Guaidó como “presidente interino” da Venezuela e procuraram abertamente destituir Maduro do cargo”, lembra o diário.

Quem financia o governo britânico?

Com o pretexto de uma “transformação real” e de uma nova Venezuela, a coligação anti-bolivariana, cujo único financiador externo parece ser o governo britânico, já inclui 781 organizações e promove 243 iniciativas.

A Transparencia Venezuela confirmou ao Declassified UK que tem a obrigatoriedade de apresentar “relatórios de progresso e gestão de projetos a cada três meses” à Embaixada do Reino Unido em Caracas.

De acordo com o governo britânico, o Fundo de Conflito, Estabilidade e Segurança possui 1,26 mil milhões de libras esterlinas e “trabalha para construir a paz e a estabilidade em países cuja estabilidade está em risco”. Mas, apesar da insistência do Declassified UK, o executivo de Boris Jonhson recusou-se a prestar declarações sobre quem financia na Venezuela.

Na sequência de dois pedidos recentes da Freedom of Information [Liderdade de Informação], o Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID, na sigla em inglês) disse que estava a “reter detalhes das organizações que apoia na Venezuela por motivos de saúde e segurança”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!