Relembre os principais ataques de Bolsonaro ao povo nordestino

Atualizado em 6 de outubro de 2022 às 10:39
Jair Bolsonaro durante live no Palácio do Planalto. Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) atacou nesta quarta-feira (5) os nordestinos ao chamá-los de analfabetos por votarem no ex-presidente e candidato Lula (PT) no primeiro turno das eleições. Ele disse ainda que gestões petistas do passado são responsáveis pelo baixo índice de desenvolvimento nos estados.

“Lula venceu em 9 dos 10 estados com maior taxa de analfabetismo. Você sabe quais são esses estados? No nosso Nordeste. Não é só taxa de analfabetismo alta ou mais grave nesses estados. Outros dados econômicos agora também são inferiores na região”, afirmou.

Para ampliar as chances de vencer as eleições, Bolsonaro precisa encurtar a distância que o separa de Lula no Nordeste. O atual presidente, no entanto, acumula ataques preconceituosos contra o povo nordestino ao longo de seu mandato. Relembre aqui os principais:

“Governadores de paraíba”

O primeiro episódio de preconceito ocorreu em julho de 2019, quando Bolsonaro atacou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e o governador João Azevêdo (PSB), governador da Paraíba. Durante um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto, o presidente, sem perceber que o áudio de seu microfone estava ligado, disse ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que “daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão”.

“Crescer um pouquinho a cabeça”

Também em 2019, só que no mês de agosto, o atual presidente atacou novamente o povo nordestino em vídeo divulgado pelo deputado federal Carlos Cajado (PP-BA). Ao ser questionado pelo parlamentar se Bolsonaro estaria virando “cabra da peste”, Bolsonaro responde que: “Só tá faltando crescer um pouquinho a cabeça”, para logo depois dar uma gargalhada. Numa live com o candidato ao governo de São Paulo Tarcísio de Freitas em setembro deste ano, Bolsonaro voltou a se referir pejorativamente ao susposto tamanho incomum da cabeça dos nordestinos. Ele perguntou se Tarcísio tinha “algum parente pau de arara” e, ao receber a confirmação de seu interlocutor, emendou: “Com essa cabeça aí tu não nega não, porra”.

“Pau de arara”

Em live em fevereiro deste ano, Bolsonaro se referiu a seus assessores nordestinos com a expressão pejorativa “pau de arara”, logo após errar o local de nascimento de Padre Cícero, religioso muito cultuado na região. O assunto no momento era a revogação de decretos de luta oficial na pandemia.

“Esse tipo de gente”

Já em comício eleitoral durante setembro deste ano na cidade de Londrina, no Paraná, Bolsonaro afirmou que “[O Brasil é] um país que não tem problemas outros. O único problema que nós temos aqui é o PT, composto de pessoas que vieram dos rincões, dos grotões, daqueles locais onde nada poderia sair dali a não ser esse tipo de gente”.

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clique neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link