Reunião entre Guedes e Bolsonaro teve grito e troca de acusações: “Me demite, então”

Guedes e Bolsonaro
Guedes e Bolsonaro tiveram reunião quente – Foto: Reprodução

Em discussão acalorada nesta quinta (21), o ministro Paulo Guedes teria pedido demissão do Governo Bolsonaro. Porém, segundo apurou o DCM, a conversa foi envolveu muita gritaria e troca de acusações.

O Bolsonaro exigiu o Auxílio Brasil de R$ 400,00. Guedes, por sua vez, tinha dito que não permitiria de jeito nenhum. Bolsonaro enfatizou que o presidente era ele e Guedes retrucou: “Não podemos furar o teto, se é esse o caminho, me demite, então”.

Com medo, Bolsonaro afirmou que precisa do ministro. “Sem você eu perco a eleição”, disse. A discussão resultou em uma outra visita do mandatário no Ministério da Economia, nesta sexta (22), em que reafirmou confiança no ministro.

Leia também:

1- Prevent Senior assina acordo com MP e não vai mais receitar kit covid

2- Deputados do PTB querem afastamento de Roberto Jefferson por ataques ao STF

3- Cotado para ser vice de Lula, Rodrigo Pacheco confirma oficialmente filiação ao PSD

Coletiva de Guedes e Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro visitou a sede do Ministério da Economia, em meio a dúvidas sobre a permanência do ministro Paulo Guedes no governo.

Ao lado do presidente, Guedes afirmou que o “Brasil vai crescer muito mais que as previsões”. Ele repetiu a mesma fala que defendeu nos últimos tempos.

“Qualquer noticia tem informação que é barulho. Tínhamos um plano de fazer dentro do teto o bolsa família em torno de R$ 300 e ao mesmo tempo o IR que daria a ponte para custear o programa. Vamos inviabilziar os programas sociais? Não”, disse.

Já o presidente, afirmou que tem “confiança absoluta” no ministro da Economia e acrescentou que seu governo não fará “nenhuma aventura” na economia.

“Tenho confiança absoluta nele, ele entende as aflições que o governo passa. [Guedes] assumiu em 2019, fez um brilhante trabalho, quando começou 2020, a pandemia, uma incógnita a para o mundo todo”, declarou.

“Esse valor defendido por nós tem responsabilidade. Não faremos nenhuma aventura, não queremos colocar em risco nada no tocante à economia”, disse Bolsonaro sobre os R$ 400 que devem ser pagos no Auxílio Brasil em 2022.