Coaf acha dinheiro suspeito na conta de Ricardo Barros e Renan chama bolsonarista de ‘comandante de roubalheira’

Ricardo Barros depõe na CPI da Covid
À mesa, em pronunciamento, líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR).
Foto: Pedro França/Agência Senado

Não convide Renan Calheiros e Ricardo Barros para a mesma festa.

Após sua tentativa de esculhambar a CPI da Covid, Barros virou alvo principal da comissão que investiga corrupção e desmandos do governo Bolsonaro na pandemia.

“Barros é o comandante de um dos maiores esquemas de roubalheira que assaltaram o Ministério da Saúde”, disse o relator da CPI em coletiva de imprensa nesta terça, 31. “Isso está evidentemente comprovado”.

LEIA também: 

1. Ricardo Barros diz que CPI está cometendo crime e pressiona STF

2. CPI: depoimento de diretora da VTCLog é cancelado

O líder do governo é formalmente investigado pela CPI.

Renan falou sobre Barros ao ser questionado sobre um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que apontou incompatibilidade entre transferências do líder do governo na Câmara e seu patrimônio.

“O papel desse Ricardo Barros na vida nacional é lamentável. Ele precisa ser exemplarmente punido”, disse Renan.

Coaf aponta transferências suspeitas de Ricardo Barros

Segundo o Coaf, em 30 dias no mês de março deste ano as transferências de Barros somaram R$ 418 mil, o equivalente a 94% do que o parlamentar disse ter como renda líquida declarada: R$ 446 mil.

Nem com mágica ele será capaz de explicar.