Ricos e/ou universitários que votam em Bolsonaro. Por Esther Solano

Ele

Publicado originalmente no perfil do Facebook da autora

POR ESTHER SOLANO, cientista política

Na minha pesquisa entrevistei algumas pessoas ricas (uma, aliás, muito rica) e universitários brancos simpatizantes de Bolsonaro. Apareceu ódio ao pobre, sim, mas não só isso. Num post anterior disse que um denominador comum dos simpatizantes dele era a incapacidade cognitiva, emocional de entender a pluralidade do mundo, sua riqueza social, suas complexidades, de ver o outro como possibilidade e não como inimigo. A falta de educação e conhecimento críticos, políticos, democráticos contribuem para esta incapacidade. Ao falar isso muitos pensaram que estava falando em pessoas pobres. Não estava. O acesso à educação formal que classes médias e ricos têm não significa nem muito menos acesso a uma educação crítica. Como dizia Adorno, a educação pode lutar contra a barbárie ou pode criar monstros. A educação pode lutar contra o fascismo ou fortalecer o fascismo. Muitos de nossos universitários votarão no Bolsonaro. Estamos então fomentando uma educação para fascistas?

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube