Ritual de passagem. Por Kakay

Ato do 29M no MASP. Foto: Reprodução

Por Kakay

Nossas dores óbvias estão expostas como vísceras abertas e não precisam ser catalogadas. Sofrem todos os que perderam alguém querido ou que convivem com as sequelas deste vírus maldito. E há uma dor que é filha da barbárie, que corrói a alma e a consciência, que é a de acompanhar o desmantelamento de todos os avanços sociais dos últimos anos. Voltamos décadas e nossa terra ficou plana. Fomos tragados por um buraco de onde não se vê saída.

Mas, além dessas mazelas imensuráveis, sinto que as relações entre as pessoas criaram fissuras. E essas parecem, de certa forma, refletir a tessitura frágil do caráter de muita gente nesse momento de grave crise sanitária e de perigosa ascensão do fascismo. Sim, a pandemia, o isolamento e o olhar para a dor do outro significam também um momento de descobrimento e de revelação.

Não é preciso fazer grande esforço para notar aqueles que têm o que defino de mesmo “sentimento do mundo”. Não é tão somente a declaração de ser de esquerda, de direita ou de centro. É o olhar para um pulsar interior que parece entender a vida sem precisar de nenhuma explicação. A vida no que ela tem de mais natural: só viver, talvez, só sobreviver.

Hoje, certamente isso estabelece com quem eu quero fazer a travessia e o enfrentamento, o simples posicionar-se diante da barbárie. Não é hora de grandes gestos. Resistir é o bastante. E a resistência pode ser só a solidariedade, só o olhar amigo, só o afago na alma. Se a pessoa não tem a força para o embate, a voz amiga ou o silêncio cúmplice podem ser a companhia que ampara a lucidez. É a hora do gesto. Ou até da intenção do gesto. Mas temos que demonstrar, de alguma maneira, a repugnância pelo culto à morte e o necessário compromisso com a vida.

Depois do lapso de esperança em um momento menos sombrio, eis que o Brasil volta ao patamar de quase três mil óbitos diários e o número emblemático de 500 mil mortos já ecoa em todo o mundo. São meio milhão de brasileiros que ocupam as ruas silenciosamente e povoam o nosso imaginário. Uma nação à procura de si mesma. Sem uma identidade, sem um rumo. Um país que precisa se reencontrar, pois a divisão se estabeleceu entre a grande maioria.

Difícil a convivência com quem optou por viver em um mundo paralelo, onde a mentira e a ilusão ditam as regras. Nesse mundo, o real, quando ocorre, nos ajuda a reforçar a premência de nós não aceitarmos a fantasia. A realidade pode ser tão teratológica que o acordar é, ao contrário do que se imagina, uma espécie de transe que nos hipnotiza e nos amedronta. Algumas situações bizarras nos levam a uma profunda reflexão.

Escutei de um amigo uma história que dificilmente seria filme, de tão dolorosa. O pai, um velho senhor, morreu de covid em um grande hospital. Já impossibilitado de vê-lo há vários dias, internado numa UTI fria e austera, recebeu a notícia que não poderia nem sequer vestir o velho para o sepultamento, pois seria perigoso o contágio. Resigna-se com a mortalha do hospital e desce para encontrar o caixão, quando descobre que esse será entregue fechado, por segurança.

Perplexo, pergunta para o homem a sua frente, vestido de roupa de astronauta, como saber se é mesmo o seu pai que vai ali dentro. Maquinalmente lhe é mostrada uma foto tirada minutos antes de fechar o caixão. Esse é o reconhecimento e a despedida. Nem nossos rituais de passagem são mais respeitados

Por isso, o choro incontido deve ser também de alerta, de indignação e de revolta. E é bom que o grito substitua a apatia e ecoe forte e alto. É preciso voltar às ruas no sábado, dia 19 de junho, respeitando quem optar por continuar o isolamento. Mas será um sinal de esperança e um gesto de resistência. Um andar, ainda que silencioso, pelas ruas que têm que voltar a ser nossas. Resgatando as nossas cores, verde e amarelo, deixando claro para os fascistas que eles usurparam a alegria de um povo, mas não conseguiram roubar a esperança. Não há maneira melhor de homenagear os que se foram do que continuar a viver a vida. Devagar, mas urgentemente.

Apoiando-nos em Valter Hugo Mãe:

“O meu avô pedia que não me desiludisse. Quem se desilude morre por dentro. Dizia: É urgente viver encantado. O encanto é a única cura possível para a inevitável tristeza.”