Roberto “Chaves” Bolaños, o maior gênio da TV brasileira (1929-2014)

Roberto Gómez Bolaños
Roberto Gómez Bolaños (1929-2014)

E então morre no México, aos 86, Roberto Bolaños.

Roberto, como todos sabem, foi o criador e a própria encarnação do Chaves, do Chapolin Colorado, e de mais alguns personagens.

Morreu em casa, aparentemente de morte natural decorrente dos problemas respiratórios do qual sofria já há algum tempo, de acordo com a Televisa. Gosto de pensar que ao seu lado estava Dona Florinda, cujo nome real é o mesmo do personagem. Florinda Meza foi esposa de Bolaños durante os últimos dez anos.

chaves-triste-580x348

Roberto Começou sua carreira no fim dos anos 1960, quando estreou na Televisa como Chespirito, já ao lado de boa parte do elenco que daria vida ao Chaves. No começo dos anos 1970, colocou no ar o Chapolin Colorado e posteriormente, o programa que o tornaria imortal, o “Chavo Del Ocho”.

Jamais houve no Brasil um programa de TV cultuado como Chaves. Nesse sentido, é mais ou menos como os Beatles – atravessa gerações, faz sentido em qualquer momento histórico, une o pop ao cult, e se perpetua apesar de todas as limitações técnicas da época em que foi feito.

elenco-chaves-raro

A mim parece que o humor brasileiro, de modo geral, sempre foi feito para que o rico risse do pobre, e o pobre risse de si mesmo. Do Didi Mocó ao Tiririca. Esta regra, com exceções, evidentemente, vem de muito longe, desde que me conheço por gente.

Nenhum dos grandes comediantes brasileiros, por melhores momentos que tenham vivido, por mais dinheiro que tenham tido para suas produções, por mais promoção que tenham recebido das TVs para as quais trabalhavam, souberam captar o espírito do brasileiro como Roberto, lá do México, sem querer captou.

bolanos1

Chaves tem uma mensagem clara. Mais que isso: tem uma mensagem justa. Captou o que chamam de “espírito do tempo” – a convivência entre classes sociais distintas. De Chaves, o mais pobre da turma, ao Nhonho, o mais rico, há uma grande variedade de classes sociais e níveis culturais, que os divide. O elo é inexorável: a fraqueza humana.

Entender como lidar com isso é o grande desafio dos séculos em que vivemos. Chaves lê esse desafio e traduz de forma extremamente simples.

Roberto Bolaños foi o maior gênio da TV brasileira. O fato de ter nascido no México é irrelevante.

chaves-300x225

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!

Compartilhar
Artigo anteriorO que significa regular a mídia?
Próximo artigoA piada bolivariana da doutrinação de crianças brasileiras pela Venezuela
Avatar
Emir Ruivo é músico e produtor formado em Projeto Para Indústria Fonográfica na Point Blank London. Produziu algumas dezenas de álbuns e algumas centenas de singles. Com sua banda, Aurélios, possui dois álbuns lançados pela gravadora Atração. Seu último trabalho pode ser visto no seguinte endereço: http://www.youtube.com/watch?v=dFjmeJKiaWQ