Ronaldinho e o sargento da FAB: Moro é tchutchuca com a Espanha e tigrão com o Paraguai. Por Kiko Nogueira

Se colar, colou

Na falta de coisa melhor para fazer, já que viramos a Suíça, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Fernando Moro, achou razoável ligar para autoridades do Paraguai para instar a favor de Ronaldinho Gaúcho.

É inacreditável.

Provavelmente, foi a pedido do chefe Bolsonaro, preocupado com seu “embaixador do turismo”.

Dá a exata dimensão de como o governo encara os paraguaios em oposição, por exemplo, aos espanhóis.

Moro não fez o mesmo tipo de coisa com o sargento da FAB preso com 49 quilos de cocaína que estava na comitiva presidencial em Sevilha.

A assessoria de Moro confirmou o contato, mas ressaltou que a nação vizinha “é soberana para tomar decisões”.

Puxa vida! Não diga!

Euclides Acevedo, ministro do Interior do Paraguai, contou que seu colega brasileiro “me escreveu no sábado e perguntou sobre a situação de Ronaldinho”.

“Quis saber se ele e Assis poderiam ser libertados, e respondi que não depende de mim. (Moro) também perguntou se estão em um local seguro, e respondi que sim. Ele não gostou da prisão de Ronaldinho”, falou.

Como assim?

Moro não tem que gostar ou não: Ronaldinho e Assis são dois picaretas rematados, pilhados com passaportes falsos num esquema de lavagem de dinheiro.

Que respondam por seus crimes por lá e que Moro aprenda a respeitar a democracia alheia, já que a nossa é mais falsa que uísque paraguaio.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!