Rosangela Moro depôs contra o próprio marido no caso do sítio de Atibaia. Por Paulo Nogueira

Rosangela em ação
Rosangela em ação

A defesa de Moro feita por sua mulher Rosangela é um retrato perfeito da perseguição a Lula.

Rosangela representou esta semana o marido no processo que Lula lhe move por abuso de poder.

Ela insistiu no caso do sítio de Atibaia, para alguns a fábula dos Dois Pedalinhos.

Veja a fragilidade de sua argumentação. Ela disse que o fato de terem sido encontrados objetos de Lula no sítio indica, “aparentemente, que ele é o real proprietário”.

Aparentemente?

Como assim? Depois de tanto tempo (e dinheiro público) gastos na investigação da propriedade do sítio, esta é a melhor expressão que Rosangela tem para defender o marido?

A palavra “aparentemente” é fatal. Quem está habituado a escrever sabe disso. Você a usa quando não tem certeza sobre determinada coisa.

Repito: quando você não tem certeza de alguma coisa. É uma proteção.

Quando você vê nuvens carregadas pode dizer, por exemplo: “Aparentemente, vai chover.”

A defesa de Rosangela Moro, na verdade, depõe contra Moro e a Lava Jato.

E reforça o que os advogados de Lula têm dito: trata-se de uma perseguição em que a lógica é “danem-se as provas”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!