Se estivéssemos na Roma antiga, como quer Aloysio, a saída honrosa de Aécio seria o suicídio. Por Kiko Nogueira

A morte de Sêneca, de Manuel Domingues Sanchez

 

O ministro Aloysio Nunes Ferreira apelou para os clássicos na defesa de Aécio Neves, cujo mandato foi cassado pelo STF depois de uma carraspana sádica de Luiz Fux.

“Já que ele não teve esse gesto de grandeza [de se afastar voluntariamente], nós vamos auxiliá-lo exatamente a que ele se porte tal como deveria se portar. Pedir não só para sair da presidência do PSDB, mas sair do Senado Federal para poder comprovar à sociedade a sua ausência de toda e qualquer culpa nesse episódio”, falou Fux em seu voto.

Segundo Aloysio, tratou-se de uma zombaria. A penalidade não é prevista no direito brasileiro. Fux “esqueceu-se de observar um princípio dos magistrados da Roma antiga zelosos do decoro do tribunal: a pessoa do réu é sagrada”.

Caso estivéssemos na Roma evocada por Aloysio, Aécio seria forçado, provavelmente, a uma saída honrosa: o suicídio.

Essa era a alternativa mais comum quando um notável se encontrava em apuros insolúveis, como é o caso do tucano.

O método mais popular era praticado dentro de casa. O sujeito entrava numa banheira quente e abria os pulsos verticalmente, deixando que o sangue esvaísse e a natureza seguisse seu curso.

A maioria dos políticos preferia isso à condenação oficial e posterior execução. Segundo o historiador Tácito, os últimos anos de Tibério foram pródigos nesse tipo de ocorrência.

“Por medo do carrasco preferiam morrer assim, e também porque, aos condenados, recusava-se sepultura e os bens eram confiscados, enquanto que aos que tiravam a própria vida respeitava-se o testamento e dava-se sepultura ao corpo como recompensa”, escreveu.

Sêneca, tutor de Nero, e Petrônio, escritor, abriram as veias. Outros preferiram algo mais dramático: o general Quintílio Varo, ao se ver cercado pelos germanos em Teutoburgo, cravou a espada em si mesmo. 

Derrotado por Otávio, Marco Antônio, amante de Cleópatra, fez a mesma coisa. Cleópatra se deixou picar por uma áspide. O imperador Otão, que reinou por três meses, foi formidável.

Em meio a uma guerra civil, cansado da anarquia, juntou seu exército e fez um discurso solene, declarando: “É mais justo um morrer por todos que todos por um”. Retirou-se em seguida para sua barraca e deu cabo da existência.

Mas estamos falando de outro tempo e tipo diverso de homens públicos, bem distantes daqueles aos quais Aloysio se refere. Aécio atirou o Brasil no abismo institucional que criou e alimentou e prefere que todos morram por um.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!