Secretário da Saúde de SP defende fechamento das escolas para conter a covid

Secretário de Saúde de Doria, Gorinchteyn agora defende o fechamento das escolas por conta do agravamento da pandemia de covid-19. Foto: Divulgação/GovSP

Publicado originalmente no site Rede Brasil Atual (RBA)

POR RODRIGO GOMES

O secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, defendeu hoje (2) o fechamento das escolas em todo o estado devido ao agravamento da pandemia de covid-19. Ele admitiu que o aumento da circulação de pessoas promovida pela volta às aulas contribuiu para o agravamento da transmissão do novo coronavírus nas últimas semanas. Hoje, São Paulo tem 15.977 pacientes internados, sendo 8.701 em enfermaria e 7.276 em UTI, maior número de toda a pandemia. O aumento de internações está em níveis nunca vistos, com crescimento de 19,3% apenas na última semana. Na educação, os trabalhadores registram 1.625 casos de covid-19 nas escolas.

LEIA MAIS – ‘Com lockdown pessoas vão morrer de fome’, diz secretário de Saúde do governo Doria

“Se estamos entendendo que as pessoas estão ameaçadas frente ao vírus, frente ao colapso (do sistema de saúde), temos que reavaliar situações que poderiam ser evitadas. Uma delas é a situação da escola. O problema não é a escola, mas a circulação de pessoas. Professores, alunos, pais que levam e trazem seus filhos. Mesmo no transporte público, a exposição que a gente acaba colocando as pessoas. Nesse momento, vale a observação sobre essa questão de não haver aulas. E nós vamos levar isso para discussão no centro de contingência. Eu pessoalmente estarei discutindo esse aspecto”, disse Gorinchteyn, em entrevista à rádio CBN.

Riscos e ameaças

Desde que a volta às aulas foi anunciada, professores e outros trabalhadores da educação em São Paulo apontam que o risco de contaminação pela covid-19 seria alto nas escolas. Uma das ameaças apontadas é justamente a maior circulação de pessoas nas ruas e no transporte coletivo. No caso dos professores a exposição é ainda maior, já que a maioria dá aulas em mais de uma escola por dia. Segundo a Secretaria da Educação, a volta as aulas no estado envolve 13,3 milhões de pessoas – cerca de 30% da população paulista.

LEIA MAIS – Haddad põe Ciro, Mandetta, Huck e Doria no balaio da direita em 2022

Ainda que não possa ser apontada como único motivo do agravamento da pandemia nas últimas semanas, a reabertura das escolas para a volta às aulas presenciais em São Paulo bate justamente com a piora da situação da covid no estado. Também se aponta para as baladas e festas clandestinas, que continuaram ocorrendo nos últimos meses. Além delas, há a falta de atitude do governo Doria frente às aglomerações em bares, praias, centros comercias etc.

Hospitais lotando

O estado também avalia a contribuição de cepas mais contagiosas do novo coronavírus para a multiplicação da covid-19. Nas duas últimas semanas, a média diária de internações disparou de 1.454 para 1.908. A taxa de ocupação de UTI saltou de 66,2%, no dia 15 de fevereiro, para 74,3% hoje.

Também nesta terça, a cidade de São Paulo registrou seis hospitais estaduais com 100% de ocupação dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) para pacientes com covid. A taxa geral de ocupação de UTI chegou a 77% ontem. Na rede privada da capital paulista, a ocupação de UTI para covid-19 varia de 80% a 95%. Na Grande São Paulo está em 75,5%. Apenas ontem, 1.021 pessoas foram internadas na região.

Além do aumento das internações, cresceu também o número de mortes diárias por covid-19 em São Paulo. A média diária subiu de 219 óbitos diários para 242 na última semana, em todo o estado. Um aumento de 10,5%. Na capital, a média diária de mortes pela infecção é de 49 pessoas, praticamente 20% de todas as vítimas do estado.

Levantamento do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial no Estado de São Paulo (Apeoesp) aponta que houve 1.625 casos de covid-19 em 768 escolas esse ano. O governo Doria fez um primeiro levantamento, no dia 16 de fevereiro, com 741 casos confirmados e 1.133 casos suspeitos de covid-19. No entanto, parou de divulgar os dados nas semanas seguintes.

Alguma sensatez

A presidenta da Apeoesp e deputada estadual, Professora Bebel (PT), apoiou a posição do secretário da Saúde e espera que o governo Doria tenha consciência em acatar as recomendações. “Finalmente alguma autoridade do governo Doria – e não surpreende que seja o secretário da Saúde – assume posição sensata e correta sobre a pandemia e as aulas presenciais. Quem sabe vença a razão contra a insensatez e o negacionismo e as aulas presenciais sejam imediatamente suspensas. É o que desejamos e pelo que lutamos. Em defesa da vida, sempre”, disse Bebel.

Os professores da rede estadual estão em greve desde o dia 8 de fevereiro contra a volta às aulas presenciais sem condições de segurança sanitária.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!