Sem armas contra a nova onda. Por Fernando Brito

© Shutterstock

Originalmente publicado em TIJOLAÇO

Por Fernando Brito

Os sinais de um novo salto nas infecções pelo Covid 19 no Brasil estão dados, mas a providência que, diante disso, o governo brasileiro toma é a de ir, novamente, ao Supremo Tribunal Federal pedir que possa revogar as já mínimas medidas restritivas decretadas por governadores e prefeitos para evitar a propagação do vírus.

E a propagação está mais veloz, mesmo com a presença da chamada “variante indiana” sendo, até aqui, apenas uma ameaça potencial. O número de casos, desde 5 de maio, está crescendo, alerta hoje o Estadão. E, com ele, vem o aumento das internações e da lotação das Unidades de Terapia Intensiva: “sete Estados têm taxas de ocupação iguais ou superiores a 90%: Piauí (91%), Ceará (94%), Rio Grande do Norte (96%), Pernambuco (97%), Sergipe (93%), Paraná (95%) e Santa Catarina (95%).

Aliás, as ações de bloqueio sanitária tomadas diante da ameaça representada pelo cepa do vírus vinha da Índia, corretas, só servem para mostrar como de deixou de adotar os mesmos cuidados quando surgiram os sinais de picos de contágio no passado.

O bloqueio sanitário – isolamento dos casos, inquérito epidemiológico sobre os que tiveram contato com casos identificados, quarentenas e reforço na vacinação – não é uma técnica nova e o Brasil tem décadas de experiência para realizá-lo.

Mas não fará – como jamais fez, exceto em extensão e prazo insuficientes – a essência deste bloqueio, que é a restrição à circulação de pessoas.

Alexandre Naime Barbosa, chefe do setor de infectologia da Unesp de Botucatu (SP) e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, diz que “entre os dias 15 e 21 de junho deveremos atingir a marca de meio milhão de mortos e será o resultado do que vemos agora.”

Alguém, a esta altura, pode dizer que se trata de alarmismo.

Não, mas é alarme, que soa, faz tempo, a ouvidos que não o querem ouvir.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!