A polícia demorou 35 minutos para fazer uma travessia de 600 metros enquanto ele matava jovens

Ele podia ter sido detido antes

 

Que acontece com a polícia de um país socialmente muito avançado como a Noruega, em que a taxa de crimes é uma das mais nanicas do mundo?

Enferruja, naturalmente.

O relatório sobre o caso Breivik divulgado hoje na Noruega, e repercutido intensamente em todo o mundo, sugere. O produto foi obra de meses de uma comissão independente.

Foram feitas críticas violentas à maneira como a polícia norueguesa se comportou em relação a Anders Breivik, o fanático de direita que explodiu uma bomba em Oslo para matar todo o governo e depois foi para uma ilha liquidar jovens ativistas do partido no poder por não combater adequadamente o “avanço muçulmano”. No final, Breivik matou 77 pessoas até ser detido pela polícia.

O relatório bate, particularmente, nos 35 minutos que a polícia levou para atravessar os 600 metros  de água que levam à ilha. Os dois primeiros policiais que chegaram ao local da travessia não procuraram botes, e chamaram reforços. Uma divisão de elite, depois, teve que interromper o trajeto porque um bote não comportava todo mundo. Ninguém cogitou helicóptero.

Várias vidas teriam sido salvas se os policiais tivessem agido com a rapidez necessária. Como se viu posteriormente, ao primeiro sinal de que a polícia chegara, Breivik interrompeu a matança e se entregou da forma mais abjeta e covarde possível.

O preço da civilização às vezes é alto: os incumbidos de zelar pela ordem num país em que a ordem impera podem ficar, na pior hora, inoperantes, lerdos e destituídos de reflexos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!