“Seria perguntar se a chuva molha”, diz Pazuello sobre capacidade de ser ministro: a arrogância e burrice vão enterrá-lo

Pazuello se enrola na CPI

Pazuello vai ser enterrado na CPI da Covid por causa da própria arrogância.

O general cagão que entrou no STF para ter o direito de ficar em silêncio não parou de falar desde o primeiro instante.

Não há advogado ou media training que dê jeito na estupidez associada à megalomania. É como um alcoólatra: se o cara não quer se curar, não há clínica que resolva.

Um trecho do depoimento é especialmente revelador.

Questionado por Renan Calheiros sobre suas condições para assumir o cargo de secretário-executivo do Ministério da Saúde, ele afirmou que todos os oficiais generais do Exército têm formação e experiência para isso.

“Seria perguntar se a chuva molha”, respondeu o responsável pelo descalabro na pandemia, pau mandado do genocida.

Mencionou que comandou a 12ª Região Militar, sendo responsável pela saúde de 30 mil homens, e sua atuação na Operação Acolhida, que recebeu migrantes venezuelanos.

“Me considero, sim, senhor, plenamente apto para exercer o cargo de ministro da saúde”.

Dá uma boa medida do mundo paralelo das Forças Armadas.

Nenhum dos outros depoentes se enforcou como Pazuzu. Dá gosto ver.