Só a China pode parar a solução final em Gaza. Por Leandro Fortes

Atualizado em 29 de outubro de 2023 às 7:57
Mulher palestina carrega criança na Faixa de Gaza após ataques israelense. Foto: Mahmud Hams/AFP

Israel é irrelevante como ponto focal das atenções diplomáticas. Assim como é inútil vomitar uma gota de bile em protesto contra essa farsa territorial reduzida a um estado de psicopatas sem freios civilizatórios. A única chance de interditar a escalada genocida do Estado Judeu contra os palestinos, na Faixa de Gaza, é impor limites aos Estados Unidos, a quem Israel serve como vassalo e de quem é capataz, no Oriente Médio. E somente um gigante como a China pode fazer isso.

Durante a Guerra Fria, entre 1948 e 1989, os EUA eram impedidos de atiçar indiscriminadamente o cão israelense contra os árabes porque temiam a contrapartida soviética e, claro, a escalada global de uma guerra nuclear – o que convencionalmente se chamava de “equilíbrio pelo terror”. Sem a URSS, os israelenses passaram a ter carta branca para roubar terras, cercar e matar palestinos, sob o olhar condescendente da Nova Ordem Mundial pós-Muro de Berlim.

Portanto, é perda de tempo exigir humanidade de Israel, assim como é inaceitável colocar a culpa apenas na extrema-direita israelense pelo genocídio em Gaza. Há muito, a sociedade israelense está imersa em um projeto nacional que a noção muito clara de solução final em relação aos palestinos.

O ataque do Hamas, em 7 de outubro, deu a Israel um argumento renovado para esse projeto, haja vista o esvaziamento histórico e a exaustão ideológica do Holocausto. Trata-se de um evento tão chocante quanto distante, que de tanto ser requisitado em defesa do povo judeu, entrou em processo de exaustão.

Explosão de um míssil em Gaza. Foto: Mahmud Hams/AFP

Assim, odiar Israel e, por extensão, os judeus, tornou-se um sentimento perigosamente em voga. Ao mesmo tempo, também se tornou perda de tempo imaginar que somente odiar israelenses – que despejam bombas sobre dois milhões de seres humanos desarmados e sem um exército regular para defendê-los – irá servir para conter a besta-fera sionista.

A única chance dos palestinos é a China. A grande nação de Mao tem o dever de expor ao mundo a falência moral dos Estados Unidos e apresentar uma solução militar imediata para barrar os genocidas de Israel, seja com um exército próprio, seja fornecendo armas para os países árabes (e para o Irã) dispostos a lutar pelos palestinos.

Sem a China, só restará esse teatro de resoluções e debates estéreis na ONU, até que a última criança palestina de Gaza padeça, em agonia, sobre os escombros da velha cidade.

Participe de nosso canal no WhatsApp, clique neste link
Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link