O Brasil é a Dinamália, a mistura da Dinamarca com a Somália

Éramos a combinação de Bélgica e Índia, e agora podemos nos tornar parte Dinamarca, parte Somália.

Isto é São Paulo, isto é Brasil

Nos anos 1980, o economista Edmar Bacha cunhou uma palavra brilhante para designar o Brasil: Belíndia. Éramos uma mistura de Bélgica com Índia, em parte avançados como os belgas, em parte pobres como os indianos.

Trinta anos se passaram, e nem a Bélgica é mais modelo de avanço e nem a Índia de miséria. Mas o Brasil continua a ser um país de chocante contrastes e de abjeta iniquidade.

As estatísticas mostram melhoras no combate à pobreza, sobretudo nos últimos dez anos. Mas, longe dos números, os olhos dos brasileiros continuam a ser agredidos com imagens de uma pobreza inaceitável para a sexta economia do mundo.

Você anda por São Paulo e não escapa da visão aterradora de favelas. Como uma cidade tão rica pôde deixar que habitantes seus levem uma vida tão degradante?

O mesmo tipo de cena se repete, ainda com mais intensidade, em Salvador, para onde vim em viagem de negócios. A divisão consagrada pelo Movimento Ocupe Wall Street – 1% da população na opulência, 99% na penúria – parece se encaixar à perfeição em Salvador.

Como isso pôde acontecer em São Paulo, em Salvador, enfim em todo o Brasil? Sucessivos governos centrais e estaduais foram cegos? Ou foram, de alguma forma, sequestrados pelo “1%” ?

A mídia, que deveria fiscalizar presumivelmente os governantes, não se deu conta do país absurdamente injusto que estava sendo construído ao mesmo tempo em que ela se dedicava, e se dedica ainda, a nhenhenhéns intermináveis?

Onde o interesse público? Alguém achava que a sociedade brasileira era sustentável quando tão poucos desfrutavam de tanto e tantos de tão pouco? Ninguém imaginou que da Belíndia resultariam altos índices de criminalidade, e por fim uma minoria bem de vida cercada de muros e apavorada diante de riscos como o banal ato de andar nas ruas das cidades?

Os historiadores poderão responder a tais questões com mais profundidade. A mim, aqui e agora, olhando para trás, parece que o Brasil da Belíndia merecia governantes melhores e uma mídia melhor.

No mundo todo, a questão da desigualdade ocupa a prioridade nos debates dos homens públicos. É hora de o Brasil, como um todo, discutir a sério isso.

Se for formado um consenso em torno da questão da justiça social, o Brasil pode tornar muito mais veloz, e menos traumática, a marcha contra a miséria.

Na Escandinávia, com seu admirável sistema econômico em que o capitalismo aberto e competitivo recebeu o contraponto do igualitarismo social, as coisas não aconteceram por sorte.

Formou-se, lá, um consenso pelo qual a sociedade entendeu que, para ser harmoniosa, as grandes empresas e os milionários tinham que dar sua justa contribuição à comunidade, a começar pelo imposto de renda. Por trás do consenso escandinavo estava uma geração de economistas brilhantes, como o Nobel Gunnar Myrdal. Myrdal e seus pares perceberam que o capitalismo nórdico tinha que ser protegido de capitalistas predadores, ávidos por transformar o Estado em babás deles.

No Brasil, nunca houve um consenso dessa natureza. Mas pode ser a hora. Os fatos gritam. É chocante que um partido como o PSDB não tenha feito – anos atrás — da redução da desigualdade uma bandeira. Dada a força do partido, isso teria apressado o consenso. O PSDB, ao cometer um erro tão monstruoso, condenou-se a ser hoje o reduto dos reacionários mais obtusos do país, sob a égide de José Serra, o homem do kit gay e da fixação quase homoerótica por José Dirceu.

Varrido (presumivelmente) Serra, as chances de um consenso antidesigualdade voltam a ser viáveis.

Que ele se torne realidade, e rapidamente – ou então de Belíndia passaremos a Dinamália, a mistura da Dinamarca com a Somália.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!