Supremo escárnio: no país em frangalhos, STF se dá aumento de 16%. Por Ricardo Kotscho

Plenário do Supremo Tribunal Federal – (Carlos Moura/SCO/STF)

Publicado originalmente no Balaio do Kotscho

POR RICARDO KOTSCHO, jornalista

No país em que 13,2 milhões de trabalhadores estavam desempregados em junho, segundo o IBGE, e o salário mínimo fica abaixo de R$ 1 mil, empresas, hospitais e escolas fechando por falta de recursos, os supremos ministros do país decidiram, por 7 votos a 4, se conceder um aumento de 16,3%.

Com o aumento, o salário deles passa de R$ 33,8 mil, o teto do funcionalismo, para R$ 39, 3 mil, ou quase 40 salários mínimos, fora todos os penduricalhos.

Na verdade, é bem mais que isso: no ano passado, o Conselho Nacional de Justiça calculou o gasto médio com cada juiz em R$ 47, 7 mil por mês, antes do aumento aprovado na quarta-feira.

Só o Supremo Tribunal Federal prevê para 2019 um gasto de R$ 741 milhões com os 11 ministros, funcionários e mordomias, o que dá algo como R$ 70 milhões/ano por cabeça coroada.

Como o salário dos supremos é o teto do funcionalismo público, que serve de base para os demais, só o Judiciário vai gastar outros R$ 717,2 milhões por ano, arrombando ainda mais os cofres públicos.

E não para por aí: o efeito cascata deste aumento vai beneficiar os três níveis do funcionalismo, Ministério Público, Tribunais de Contas e, claro, os nobres parlamentares, chegando a um total de R$ 3 bilhões nos cálculos mais modestos.

Tudo isso num país quebrado, falido, com os cofres públicos e as instituições em frangalhos, mas isso não comoveu os ministros do Supremo, que chegaram às raias do mais puro cinismo ao justificar o aumento.

O ministro Ricardo Lewandowski, uma espécie de líder sindical dos magistrados, que incluiu a proposta do aumento de 16,3% na pauta do STF, qualificou o índice de “modestíssimo”.

“Quem vai decidir soberanamente é o Congresso Nacional, e ainda passará pelo crivo do presidente da República, que poderá vetá-lo ou não”, pontificou o ministro para as câmeras da TV Justiça, sem enrubescer.

Pergunto: o presidente Michel Temer, investigado num balaio de denúncias de corrupção no STF, vai ter coragem de vetar esse aumento, sabendo que em janeiro perde o foro privilegiado e pode cair nas mãos de qualquer juiz de primeira instância?

Qual é o deputado ou senador, entre as centenas com pendências na Justiça, que vai vetar um aumento para os juízes que poderão, eventualmente, mandá-los para a cadeia?

Ainda mais que eles próprios serão automaticamente beneficiados pelo aumento dos magistrados, já que se deram equiparação salarial com os supremos ministros.

Para eles, os donos do Brasil, tudo; para os restantes 200 milhões de brasileiros, as migalhas que sobrarem do orçamento que eles próprios fazem e aprovam.

Manda quem pode, obedece quem tem juízo e não quer ir em cana por desacato à autoridade.

Diante deste escárnio, bem disse ao Globo desta quinta-feira o economista Raul Vellosso, especialista em contas públicas:

“Quem manda nesse país são as grandes corporações de servidores públicos”.

Alguém ainda ousa duvidar disso?

Garantido o aumento, a próxima batalha da toda poderosa Associação dos Magistrados Brasileiros agora é não abrir mão do auxílio-moradia, outra excrecência, um penduricalho de mais de R$ 4 mil por mês, entre outros, que está para ser julgado no STF, mas o ministro Luiz Fux sentou em cima do processo e não pretende devolvê-lo tão cedo.

Pobre do próximo presidente a ser eleito no dia 7 de outubro, que não vai herdar um país, mas uma massa falida.

Que Brasil sobrará no dia da posse, a 1º de janeiro de 2019?, poderá agora perguntar a enquete da Globo.

Eles não vão deixar pedra sobre pedra depois da divisão do butim do golpe, “com Supremo, com tudo”.

Vida que segue.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!