Tabata Amaral precisa sair do armário ideológico em que se meteu e deixar o PDT. Por José Cássio

Tábata Amaral

Este artigo está sendo republicado

A despeito da expressiva votação – 264.450 votos -, Tabata Amaral ficou conhecida mesmo quando passou um sabão no ex-ministro Vélez Rodrigues durante uma reunião na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, em março.

Diante de um ministro atônito e despreparado, a jovem deputada do PDT cobrou a apresentação de projetos para a pasta, com metas, prazos de execução e resultados esperados.

“Não é possível apresentar um power point com dois, três desejos. Cadê os projetos? Onde eu os encontro? Quem são os responsáveis?”, questionou.

Após um discurso de seis minutos, que viralizou, não cobrou respostas de Vélez, por saber que elas não viriam.

“Só me resta lamentar, esperar que o senhor mude de atitude, o que parece improvável, ou saia do cargo do ministro de Educação“.

Dito e feito.

Dias depois Vélez voltava para o seu instituto meia boca que ninguém conhece no interior do Paraná e a jovem de apenas 25 anos que saiu da periferia de São Paulo para formar-se em Harvard era saudada como a nova força da esquerda brasileira.

Sim, essa era a pretensão catapultada pela mídia tradicional, com consentimento da própria Tabata, mas, como se diz no jargão popular, o esquerdismo da jovem não passou da página 2.

Um mês após o pega pra capar com Vélez lá estava ela no palácio dos Bandeirantes articulando com João Doria uma forma de ajudar a convencer os deputados paulistas a apoiarem a reforma da Previdência proposta por Bolsonaro.

O escopo do projeto, que tira direitos e praticamente aniquila o sonho de aposentadoria das novas gerações, em nada contribui com os pobres com quem Tabata conviveu nos tempos de penúria.

Ainda assim ela não arreda o pé.

“É difícil entender. Quem é progressista, quem tem a luta social como algo do sangue mesmo, como que essas pessoas não se posicionam contra a desigualdade que é perpetuada pela Previdência?”, comentou em um de seus famosos vídeos nas redes sociais.

Óbvio que a visita ao gestor não ficou apenas na troca de ideias para garantir o plano de entrega da seguridade social do povo brasileiro aos bancos privados, como defende Paulo Guedes, o ‘posto Ipiranga garantia soy yo’ de Bolsonaro.

Coincidência ou não, na mesma semana do encontro uma das principais assessoras da deputada, Leticia Gabriella, responsável pela Comunicação de sua campanha, ganhou um cargo na prefeitura de São Paulo, nomeada por Bruno Covas como estagiária na secretaria municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

Em outra inflexão conservadora, na semana passada ela postou um vídeo fazendo malabarismo verbal para defender que o golpista Juan Guaidó é o legítimo presidente da Venezuela, num discurso de fazer corar o mais empedernido comentarista da Globo News.

Para coroar com a cereja no bolo, nesta quinta Tabata aparece como estrela de um filme do Renova Brasil, grupo criado por Luciano Huck, para divulgar o lançamento das inscrições para o processo seletivo de formação de novas lideranças em 2019.

Filha de uma diarista e de um cobrador de ônibus, Tabata é mais uma paulistana que subverteu as estatísticas e venceu na vida por esforço próprio. Craque na área de exatas, estudou com bolsa de estudos em escola particular e foi parar nos EUA. Formou-se e voltou ao Brasil para ajudar no desenvolvimento da sociedade por meio da política.

Até aí, tudo ok, lindo, maravilhoso. Que ela continue se dedicando e que possa fazer o melhor no Congresso, seja na educação, sua primeira área de interesse, ou nas demais em que atua, como a defesa da igualdade das mulheres, por exemplo.

O que não dá é ela topar o jogo do establishment proposto pela velha mídia, deixando-se vender como alguém de esquerda quando seus movimentos sinalizam para uma linha de conduta no sentido contrário.

Quanto ao seu partido, o PDT, que tem Ciro Gomes como um dos seus principais líderes, e um posicionamento contrário ao que a deputada defende com relação ao desmonte da Previdência, aí é uma questão interna que deve ser resolvida e respeitada.

Mas para que os eleitores não continuem se confundindo, seria bom que a jovem se posicionasse mais claramente quanto aos seus reais princípios ideológicos.

Desta forma, poderá ser ainda mais respeitada do que já é, tanto pelo seu notável talento quanto pela sua sincera dedicação em fazer o melhor pelo país.

 

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!