Temer e Janaina falam que foi golpe. Mais 25 anos e a neta de Míriam Leitão pede desculpas na Globo. Por Kiko Nogueira

As únicas certezas da vida são a morte, os impostos, a brandura do Roda Viva com os amigos da casa e a pilantragem de Temer.

Rever o velho Michel é como comer lasanha com feijão com arroz.

Aquela falta de pescoço, a sabujice com os jornalistas, a malandragem janota, as mãozinhas para lá e para cá, fazendo evoluções no ar.

O grande momento foi quando ele confessou e deu o nome correto ao impeachment de Dilma.

“O pessoal dizia ‘o Temer é golpista’ e que eu teria apoiado o golpe. Diferente disso, eu jamais apoiei ou fiz empenho pelo golpe”, falou.

Dois dias antes, Janaína Paschoal fazia no Twitter uma pergunta retórica no mesmo teor: “Alguém acha que Dilma caiu por um problema contábil?”

Claro que não, Jana.

Michel resumiu a tragédia bolsonarista como uma continuação de sua vilegiatura.

“O governo Bolsonaro tem um ponto positivo. Esse ponto positivo, modéstia de lado, é porque ele está dando sequência a tudo aquilo que eu fiz”, disse, como se isso fosse um elogio.

Justo, mais uma vez.

Falta Moro chamar Lula de preso político e Roberto Carlos revelar o apelido que deu a sua prótese na perna.

Mais 25 anos e a Globo força a neta de Míriam Leitão a ler um editorial pedindo desculpas por ajudar a derrubar Dilma.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!