Teto de gastos: o problema inicial para o novo governo. Por Gilberto Maringoni

Atualizado em 7 de novembro de 2022 às 9:25
Ex-presidente Lula (PT). Foto: Reprodução

Por Gilberto Maringoni

Há um problema inicial para o novo governo: com a manutenção do teto de gastos, nenhuma promessa de campanha pode ser cumprida. A bomba orçamentária legada por Bolsonaro estará pronta para explodir nos primeiros meses do ano que vem.

Em 2020, o teto foi furado – segundo números oficiais – em cerca de R$ 700 bilhões, e o país não parou. Ao contrário, o PIB, graças a isso, não desabou. Em 2022 os chutes chegam a falar num furo de R$ 400 bi, por obra e graça dos gastos eleitoreiros de Bolsonaro. Nem de longe o Brasil quebrou.

Num momento em que o teto surge como sério limitador dos investimentos, é preciso examinar a argumentação utilizada para romper com essa medida bizarra, que só existe no Brasil.

Em nenhum dos casos – 2020 e 2022 – o dilema colocado para a sociedade foi o de se furar ou não o teto, mas o de combater a pandemia, há dois anos, e fazer frente a uma hipotética crise humanitária, agora. Como tática política, o governo agiu de forma esperta. Não debateu o teto, mas os objetivos a serem alcançados.

O dilema para o novo governo não pode ser sobre o teto, mas sobre a reconstrução do país, depois da hecatombe bolsonariana nas áreas sociais e de infraestrutura, entre outras.

O debate – mais uma vez – tem de ser sobre o futuro (o país que queremos) e não sobre o passado (o teto). Se Lula fizer um pronunciamento nesse tom, poderemos avaliar qual a melhor tática a ser adotada, de acordo com a reação da sociedade.

Há duas opções na mesa: A. Uma emenda que, entre outras coisas, revogue a EC 95, ou B. Uma opção minimalista de uma PEC com licença para se gastar mais R$ 100 ou R$ 200 bilhões acima do teto (waiver), como última opção. O centrão faz uma série de exigências para aprovar a alternativa B.

Seria muito ruim entrar na briga diretamente na segunda opção (ou seja, na defensiva), sem ver se a correlação de forças permite a revogação do teto, mesmo que de forma parcial.

Publicado originalmente no Facebook do autor

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando neste link
Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link