Trabalharíamos 18 horas por dia de segunda a segunda se dependesse de Danuza

Ir contra as conquistas trabalhistas das empregadas domésticas desafia qualquer lógica.

Mais um fora
Mais um fora

Danuza mais uma vez vacilou.

Não havia um editor na Folha para conversar com ela antes que o texto das empregadas domésticas fosse publicado?

Em certo momento, ela fala que não existe país com direitos trabalhistas iguais aos do Brasil. Ora, onde ela foi arrumar uma informação tão descabida?

Os direitos trabalhistas brasileiros, comparados aos da Escandinávia, por exemplo, são primitivos. Na Noruega, as mulheres têm um ano de licença maternidade, e os pais têm dez semanas de folga remunerada para ajudar a cuidar dos bebês.

Na Suécia, creches governamentais que parecem hotéis cuidam durante a noite de crianças cujas mãe tenham trabalho noturno.

E a economia escandinava é florescente. Mídia nenhuma se atreve lá a fazer campanhas contra o “Custo Escandinávia”.

Mas o pior do artigo de Danusa não está na informação errada, e sim na lógica tortuosa.

Se a seguíssemos, os trabalhadores teriam jornadas de sete dias por semanas e de 16 horas, como foi nos primórdios da era industrial.

Estaríamos assim se dependesse de Danusa
Estaríamos assim se dependesse de Danusa

Não haveria férias, não haveria aposentadoria, e as crianças de famílias pobres iriam direto não para a escola mas para o trabalho.

Foi a Alemanha de Bismarck, na segunda metade do século 19, que criou proteção aos trabalhadores. Não por espírito filantrópico, mas porque havia uma intensa pressão dos sindicatos dos trabalhadores, e também porque o governo temia uma revolução de esquerda.

Mais direitos para as empregadas domésticas é uma excelente notícia para elas e para a sociedade.

Quem não puder pagar vai aprender a cuidar das próprias coisas, e encontrará saídas alternativas. Em Londres, o recurso às cleaners, diaristas, é um fato da vida da classe média.

Você acerta com uma cleaner uma ou duas visitas por semana de duas ou três horas cada, e paga cerca de 35 reais a hora.

Fora disso, você mesmo lava a roupa, passa o aspirador e faz a louça. Há máquinas boas e baratas.

As inglesas que no passado já remoto trabalhavam como domésticas têm hoje ocupações mais sofisticadas e mais bem pagas. Ninguém ficou ao relento, como parece temer Danusa.

Assim como, na Alemanha bismarquiana, a indústria não se destruiu – longe disso, como se vê hoje – porque os trabalhadores conquistaram direitos.

Já é mais que hora de a classe média brasileira lavar a própria roupa suja. É fácil, como aprendi em Londres.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!