‘Trôpego, tigre de papel, frouxo’: Bolsonaro já não assusta nem criancinha. Por José Cássio

Palhaço

Um ditado popular ensina que a gente nunca deve prometer aquilo que sabe que não vai cumprir: é um passo certeiro para o descrédito.

Bolsonaro vive esse drama.

De tanta bravata, ninguém mais acredita nele. Nem no STF, constantemente ameaçado e constituído de homens cuja coragem não é um traço que mereça ser ressaltado.

Sob ameaça, o abobalhado parte para o ataque. Virou uma tática manjada, segundo os ministros, de um mandatário que comanda um governo ‘trôpego’ e que tem se mostrado um ‘tigre de papel’.

Nesta quinta, dia do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI do Genocídio, a ordem que Bolsonaro recebeu do filho Carlos, que comanda sua estratégia de Comunicação, é radicalizar no discurso para desviar ‘o foco dos problemas’.

Bem, no dia anterior, quando Nelson Teich contou que deixou o ministério da Saúde por causa da pressão pela utilização da cloroquina no tratamento precoce da covid, não deu muito certo.

O capitão chamou os críticos de canalhas e, não satisfeito, acusou a China de promover uma guerra química em âmbito global.

À tarde, teve de se retratar, alegando que não usou o termo China para atacar a China.

Bastou para acender o sinal verde para os críticos e o desacreditado genocida ganhou mais um adjetivo: frouxo.

O assunto virou hit no país e bombou no Twitter, mostrando, como revelam os ministros do STF, que Bolsonaro já não assusta nem criancinha.

 

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!