“Trump é um pouco idiota e não tenho ideia de Bolsonaro”: um skinhead de Londres fala ao DCM. Por Sara Vivacqua

Alan Roberts

POR SARA VIVACQUA, de Londres

A gênese do movimento skinhead ainda permeia a cultura suburbana de Londres e de vários lugares do mundo. Por um lado, dividem consumismo e a alienação da sociedade como um todo, por outro desafiam a parte “ordenada” desta ordem social a partir de suas vivências do que eu chamaria de “realismo brutalista” de uma sociedade de classes.

Quase que a representação de um limbo existencial.

A rejeição apolítica, de certa forma, é a reação mais imediata de cada um de nós. Mas seria justo dizer que ela parece encontrar seu terreno fértil em contextos sociais onde os jovens encontram muitas barreiras e poucas soluções, e são estigmatizados individualmente por esta posição quase insuperável?

Falamos com Alan Roberts para entender melhor o que virou o movimento skinhead.

Quem era Alan Roberts antes de se tornar skinhead?

Deixei uma vida bem interessante. Minha mãe era dona de lojas de roupas e meu pai era diretor e acabou dono de um cassino. Costumava ficar sozinho, tinha muito poucos amigos e quase nunca saía. Eu estive no Exército por um tempo, mas depois saí e acabei trabalhando para o governo do Reino Unido. Foi quando eu tinha 13 ou 14 anos que comecei a andar com skinheads das casas construídas pelo governo.

Quando ouviu falar de skinhead pela primeira vez?

Eu tinha cerca de 14 anos e morava na periferia de uma pequena cidade na Inglaterra. Morávamos perto de um grande conjunto habitacional e havia muitos skinheads por ali. Então eu costumava ir e me misturar com eles. Às vezes eu levava uma surra, outras vezes eles também. Tínhamos filmes na TV sobre skinheads e isso sempre me interessou também. Descobri que era um bom brigador e quando os skinheads locais perceberam isso me aceitaram um pouco mais.

Quais foram suas primeiras impressões quando os conheceu?

Eu estava com medo deles. Se visse um skinhead vindo em minha direção, pensava em atravessar a rua ou correr. Eles sempre pareciam ameaçadores e assustadores com as botas e as cabeças raspadas. Mas adorei e adotei o look quando fiz 13 anos e comprei botas e uma “jaqueta burro”(estilo militar)! Nunca olhei para trás, quarenta e quatro depois ainda estou usando o mesmo kit!

Como é uma reunião típica de skinheads?

Com mais frequência ou não, ficava perambulando pelos parques e circulando pela cidade. Nós nos encontrávamos em um sábado à tarde, ficar bêbados e começar a brigar com as pessoas. Até lutaríamos entre nós! Muitas vezes éramos expulsos de pubs e bares, então frequentemente acabávamos em abrigos de ônibus ou varandas de lojas.

O que geralmente é discutido na reunião dos skinheads?

Sexo, brigas, cerveja, música e tudo mais. Também roupas e outras coisas skinheads. É bastante mundano e nada realmente interessante!

Qualquer pessoa que compartilhe das ideias dos skinheads pode ingressar, como pessoas de qualquer idade, profissão, gênero, etnia ou formação?

Qualquer um pode se tornar um skinhead. O equívoco é que todos os skinheads são racistas. Bem, a maioria não é. Obviamente existem skinheads racistas, mas eles tendem a ser chamados de “boneheads”. Conheço skinheads chineses, brasileiros, japoneses e negros, então qualquer um pode se tornar um… É só pegar o kit e a atitude. Eu conheço skinheads que são banqueiros, soldados e vigários!

Como você explicaria a visão de mundo e a prática dos skinheads para alguém que nunca ouviu falar deles?

Somos apenas um grupo de pessoas que têm as mesmas opiniões e gostam de usar os equipamentos, desde “tradskins” até os rapazes de terno e botas. A maioria dos skinheads é bem descontraída e, apesar de parecerem assustadores, falamos com qualquer um.

O que atraiu você para esse mundo?

Gostei do visual, da agressividade e do fato de compartilhar as mesmas opiniões.

Você se identifica e concorda totalmente com as opiniões e práticas dos skinheads?

Sim e não. Existem os skinheads racistas (“boneheads”) que meio que sequestraram o visual tradicional dos skinheads e se transformaram em algo de direita em meados dos anos 1980. É difícil ser um skinhead racista quando minha outra metade é polonesa, meu pai é parcialmente canadense / galês / inglês, meus primos são egípcios ou sírios. Claro que existem skinheads com visões políticas de direita, mas muitos não se associam a eles.

Como você vê o poder do Estado? Você acha que os Estados deveriam ser abolidos?

Não temos estados aqui no Reino Unido, mais países distintos, todos com seus problemas e pontos positivos. No entanto, o governo atual não é o melhor e muitas pessoas no Reino Unido sentem que estamos caminhando para um “estado policial”.

Qual é o maior problema na sociedade britânica hoje?

Ganância corporativa, arrogância, estupidez, coleta de dados e mau governo. Além disso, todos se sentem oprimidos pelo governo local e central. Existe no Reino Unido uma regra para eles e outra para todos os outros. Também somos o país com mais câmeras de vigilância por pessoa, o que diz tudo.

O que você acha de Trump? E de Bolsonaro?

Trump é um pouco idiota. Não tenho ideia de quem seja Bolsonaro!

Você se considera apolítico ou vota à direita ou à esquerda?

Eu não voto mais… Eu não suporto política ou políticos. Não há ninguém em quem votar. Temos dois partidos principais que são um lixo.