Carluxo usa as redes para chorar o fracasso do bolsonarismo

Ratinho é fiel aliado do mandatário Foto: Reprodução/SBT

Sempre que dá tudo errado a história se repete no bolsonarismo: culpa é da imprensa, dos governadores, do STF, do raio que o parta.

Só que as coisas começam a ficar difíceis para a turma. Hoje mesmo o patriarca recuou do impeachment de Barroso. Sergio Reis chora feito criança por ter tido a carreira jogada na lata do lixo.

Na PM, precisou autoridades estaduais para por os pingos nos is e explicar que nenhuma insurreição vai ocorrer com objetivo de acompanhar os bolsonaros numa tentativa de golpe.

Enfim, os exemplos são tantos que não vale a pena gastar espaço e tempo para todos.

Mas a culpa deve sempre ser de alguém.

“Tem método”, se vitimiza Carlos Bolsonaro, que na semana passada procurou o pai com medo de ser preso.

Tem método, sim, senhor Carluxo. Afinal, o país não é a zona que vocês imaginam. Por isso o seu medo.

Bolsonaro participa de formatura da Polícia Militar do DF
Bolsonaro participa de formatura da Polícia Militar do DF – Divulgação Presidência

LEIA sobre o fracasso do motim nas PMs no Sete de Setembro

Bolsonaro não é só mais um pária. Ele virou também um campeão. Um campeão de derrotas, das mais idiotas às mais inconsequêntes.

LEIA também: 

1. “O bolsonarismo se alastrou e usa todos instrumentos para instalar o caos”, diz ex-comandante da PM

De ontem para hoje, ou seja, em 24h, foram 2: o motim frustrado com a PM, cujo dia D até já estava anotado na agenda (Sete de Setembro) e a reviravolta no caso Luis Barroso, ministro do STF e presidente do Superior Tribunal Eleitoral.

Bolsonaro tinha em mãos a representação ao senado pedindo o impeachment do magistrado.

Mudou de ideia e descartou a papelama.

Certeza que se arrependeu por causa da repercussão negativa no caso de Alexandre Moraes – pediu o impedimento do ministro e sua tese foi rechaçada de A a Z.

Um bom conselheiro devia informar Bolsonaro que o mandatário de plantão é insignificante comparado ao aparato públco que o envolve.

Se já é difícil para os melhores e mais experientes, imagina para um capitão aloprado cuja ficha corrida registra uma tentatida de atentado contra a própria instituição a qual pertencia e da qual acabou expulso?

Omar Omar, senador pelo PSD do Amazonas e presidente da CPI da Covid, falou nessa semana sobre as fakes news espalhadas quase todos os dias por Eduardo Bolsonaro.

Disse claramente que o filho do presidente pode ser preso como foi o deputado Daniel Silveira – ambos pregam ditadura e atacam o STF.

“É uma brincadeira que alguém coloca, e o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, coloca lá no seu Twitter. O que aconteceu com o deputado Silveira pode acontecer com o deputado Eduardo Bolsonaro. O Ministro Alexandre de Moraes manda prender o Silveira”, afirmou Aziz.

Demos aqui no DCM final de semana que Carluxo ligou para o pai com medo de ir em cana.

Cobrou mais energia do velho.

Bolsonaro até tentou retomar a palhaçada da corda esticada com o STF, mas ninguém deu muita bola. Essa já era derrota velha.

 

 

 

Como Bolsonaro amarelou no caso Barroso

O presidente Jair Bolsonaro
O presidente. Foto: Evaristo Sá/AFP

Jair Bolsonaro desistiu de enviar ao Senado Federal o pedido de impeachment de Luis Roberto Barroso.

Ele havia prometido enviar o processo contra Moraes e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ministros do Palácio do Planalto, a quem prometeu desistir do processo, comemoraram, segundo a coluna de Lauro Jardim no Globo.

Bolsonaro apresentou impeachment de Moraes na semana passada

Dias depois de prometer entrar com o processo contra os magistrados, Bolsonaro pediu o impeachment de Moraes ao Senado.

A entrega do documento ocorreu na última sexta (20).

Segundo ele, ambos os ministros “extrapolam os limites constitucionais”.

“Todos sabem das consequências, internas e externas, de uma ruptura institucional, a qual não provocamos ou desejamos”, argumentou.

Leia também:

1 – Mesmo após pedido de Pacheco, ministros do STF negam se reunir com o mandatário

2 – Presidente arrega e pede “diálogo” com Moraes e Barroso do STF