Um ano sem Marielle: seu legado para o Brasil esmaga seus assassinos. Por Roseli Garcia

Marielle Franco

POR ROSELI GARCIA

Os passos de Marielle Franco ecoam pelo Brasil e no exterior um ano após a execução da vereadora carioca.

E, se depender de uma parcela de políticos, seus ideais não só serão mantidos vivos, mas ampliados.

Eles clamam também por justiça e pela elucidação do bárbaro crime político que chocou o país e o mundo.

Lideranças do PSOL, partido de Marielle, classificam o assassinato como um atentado à democracia brasileira.

Executada em 14 de março de 2018, no centro do Rio de Janeiro, e com processo criminal sem apontar mandantes, apenas executores, as lutas da ex-vereadora que se limitavam aos domínios da capital carioca se expandiram Brasil afora e ultrapassaram fronteiras.

Às suas bandeiras foram acrescidas a cobrança pela impunidade do bárbaro crime e por justiça por quem defendia até policiais que atuavam na favela da Maré, seu espaço de origem e de atuação.

A professora de Ciência Política da UnB, Flávia Birole, aponta a gravidade do crime em relação ao momento vivido pelo Brasil.

“Precisamos entender a execução de uma pessoa eleita, que representava a inclusão de favelas e periferias em espaços públicos, como um atentado à política brasileira. Faz parte de um processo mais amplo para enfraquecer a democracia”, diz.

“Marielle era jovem, mulher, negra e da periferia. Defendia direitos de uma população excluída da política nacional, que tem dificuldades de chegar aos espaços públicos. Era uma mulher que tinha um potencial político e contribuiu para melhorar os baixos índices de representatividade feminina nos parlamentos. Esse crime é uma violência política contra a mulher”.

Amiga e colega de Marielle, eleita vereadora em Niterói e que agora chegou à Câmara dos Deputados, Talíria Petrone (PSOL-RJ) tem avaliação semelhante à da professora da UnB.

“A execução da Marielle é a expressão maior do retrocesso democrático que a gente está vivendo no Brasil. Penso que a democracia brasileira é jovem, incompleta e não tinha chegado plenamente para territórios de favelas, de periferias. O fato é que uma vereadora eleita, de uma cidade importante foi assassinada, com possível envolvimento da milícia, da máfia, do poder econômico. Isso só pode ser um resultado de que a democracia vai mal, ainda mais quando depois de um ano a gente ainda não tem notícias do que aconteceu com nossa companheira”.

Estudos realizados nos últimos cinco anos apontam que quanto maior a participação da mulher mais aumenta a violência, segundo Flávia Birole, porque elas começam a interferir diretamente nesses domínios simbólicos e de recursos da política.

Em sua opinião, as mulheres têm desafiado a ideia de quem fala sobre elas: existe uma mudança significativa nesse sentido que provoca uma reação ao deslocamento da situação das mulheres.

A inserção feminina na esfera pública faz parte de um contexto de transformações sociais.

“O impacto sobre esse crime foi extremo e acirrou os movimentos que consequentemente pode significar um aumento da violência política. A percepção de tamanha brutalidade, eliminar uma pessoa porque suas posições desagradavam a um grupo, despertou uma sensibilidade maior e potencializa a política que Marielle defendia e representava”.

A deputada Talíria acredita que o incômodo gerado pela inserção das mulheres, que leva até a atos extremos, é porque a política carrega duas esferas que são negadas historicamente à mulher que é a esfera pública e de poder.

Parlamentares do PSOL e o Brasil querem saber

“Esses não são lugares de mulher, mas estamos lutando para enfrentar esse quadro histórico e ocupar esses espaços. Sobre nós recai quase tudo que é decidido aqui no Congresso. A previdência vai recair sobre nós, a reforma trabalhista recai sobre nós, especialmente mulheres negras, enquanto as empregadas domésticas não tinham direitos, afetava principalmente mulheres negras. É preciso que estejamos aqui. As mulheres são maioria da população e precisamos defender pautas que impactam em nossas vidas, que ampliem nossos direitos”, observa.

Flávia Birole confia na mudança dos padrões estabelecidos e aponta a forte participação das mulheres.

Elas se apresentam com maior força contra o autoritarismo e são uma parte importante da resistência democrática.

A professora destaca movimentos como o “Elenão” e afirma a necessidade de mais mulheres na política e nos espaços institucionais.

“É preciso que as experiências, os interesses tenham o mesmo peso nos espaços públicos, porque existe uma enorme diferença entre homens e mulheres. O Brasil precisa buscar a paridade alcançada pela Bolívia, pelo México e que está a caminho na Argentina com aprovação de leis nesse sentido. Decisões definidas nesses espaços públicos regulam a vida da gente, então é necessário que façamos parte desses espaços”.

Um ano sem Marielle para o ex-candidato à presidência pelo PSOL, Guilherme Boulos, significa um ano de impunidade para o partido e para o povo brasileiro.

É a expressão do declínio da democracia no Brasil, acrescenta.

“É isso que acontece quando alguém é morta por aquilo que representa politicamente, pelas ideias que defende. Esse é um crime político, é um atentado político e um atentado à democracia brasileira”.

Segundo Boulos, o crime dá um salvo conduto de que pode fazer esse tipo de coisa. “Por isso vamos seguir lutando por justiça para Marielle”, concluiu.

Alvo de ameaças há mais de dez anos, após presidir a CPI das Milícias na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, o novato deputado federal Marcelo Freixo pelo PSOL, faz coro à declaração de Boulos.

“Queremos saber quem tentou matar a democracia no Rio de Janeiro. A Marielle foi executada por um grupo de políticos – que a gente não sabe quem foi – porque incomodou e se isso não for esclarecido significa que grupo político pode matar qualquer pessoa, a qualquer momento se for contrariado. Isso vale para políticos, juízes, jornalistas”, afirma.

Contrária ao lema “Marielle vive”, Talíria Petrone disse que, infelizmente, Marielle não existe mais. Foi executada com quatro tiros no rosto.

“É preciso que não esqueçamos disso para cobrarmos. Não esquecer isto é importante para entendermos a gravidade do momento que estamos vivendo. Agora as lutas que a Marielle encampavam no corpo, na voz, no parlamento estão mais vivas do que nunca. Aqueles que tentaram nos calar, matando Marielle, erraram, porque acho que multiplicaram as mulheres negras nos parlamentos, e as lutas diárias foram colocadas nos centros das cidades do Brasil e do mundo”, avalia a deputada eleita em 2018.

Ela acrescenta que o assassinato colocou no centro da conjuntura a necessidade em ter mais mulheres negras, de periferia em todos os espaços de poder.

“Se a Mari não tá mais aqui com a gente, esse é um luto que teremos que lidar a vida inteira, no entanto, as lutas da Marielle estão muito vivas em muitas de nós que estamos ocupando esses espaços de poder”.

A essa luta não escapa nenhum detalhe. Durante a campanha eleitoral, uma placa simbólica que homenageava Marielle foi quebrada por um candidato a deputado estadual no Rio de Janeiro. 

Após vencerem as eleições, os deputados do PSOL instalaram a mesma placa simbólica nas portas de seus gabinetes, no 6º andar do anexo IV da Câmara, onde a maioria dos colegas partidários está localizada.

Único partido do Brasil que alcançou a paridade entre homens e mulheres na Câmara dos Deputados.

O ano impactante vivido pelo Brasil levou Flávia Birole a fazer uma analogia com a obra de Eric Hobsbawm “A era dos extremos: o breve século XX”, em que o historiador fala sobre a brevidade do século passado para ele iniciado com a 1ª Guerra Mundial, em 1914, e terminado em 1989, com a queda do Muro de Berlim.

Para a professora de Ciência Política, 2018 começou com a execução de Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes e terminou com a eleição de Jair Bolsonaro à presidência.

Nesse clima de ódio, extremos e impunidades, políticos continuam sendo ameaçados no Brasil. Freixo e Talíria são alvos de ameaças.

Sem se sentir protegido diante de ameaças cruéis direcionadas inclusive à sua família, mesmo com escolta, Jean Wyllys abriu mão do mandato de deputado federal pelo PSOL e deixou o país.

A delegada e deputada estadual do Rio, Martha Rocha do PDT, sofreu um atentado no dia 13 de janeiro de 2019.

Saiu ilesa, embora seu carro seja blindado, o motorista foi atingido pelos tiros.

Como no caso de Marielle, a investigação segue incompleta e a democracia brasileira segue aos tropeços.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!