Um crime choca Santa Catarina: filho mata a mãe, esconde corpo na suíte e dá festa para os amigos

A polícia esclareceu o caso.

Um crime chocou Joinville.

Na quarta-feira, 6 de janeiro, sem ter notícias da mãe havia alguns dias, uma jovem foi com o marido à casa dela, e encontrou a suíte trancada.

Chamou o chaveiro e viu que a mãe estava morta, com o corpo no banheiro do quarto coberto por um lençol e já em estado de decomposição.

As descobertas que viriam depois, com a investigação da polícia, seriam ainda mais chocantes.

O filho, Leonardo Schmitz Tasca, irmão da mulher que encontrou o corpo, era o principal suspeito e, depois de ter a prisão temporária decretada, confessou o crime.

No dia 2 de janeiro, sábado, ele se desentendeu com a mãe e, numa explosão de raiva, lhe deu um golpe de mata-leão.

A vítima, Albertina Schmitz Tasca, de 61 anos, morreu na hora.

Ele então a levou para suíte, deixou o corpo no banheiro do cômodo, e o cobriu com lençol.

Trancou a porta e manteve a rotina de festas de fim de ano.

Com base nos registros das câmeras de segurança da vizinhança, a polícia constatou que ele recebeu amigos.

Enquanto se divertiam na sala, o corpo da mãe apodrecia no quarto.

Albertina era divorciada, usava o rede social com muita frequência e teve o corpo sepultado na quinta-feira.

O filho teve a prisão temporária convertida em preventiva.

A polícia já sabe que ele era usuário de álcool e droga, e que, depois de matar a mãe, vendeu dois aparelhos de TV de 50 polegadas e usou o carro dela, um Ônix, com amigos em rolês pela cidade.

Foi assim que acabou preso, ao ser abordado pela polícia, e tentar fugir com mais dois adolescentes.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!