Uma patifaria chamada O País dos Metralhas

O gibi vai entrar para a história como um retrato dos tempos cinzentos que vivemos.
a11

A posteridade terá num simples gibi um exemplo perfeito dos dias mentalmente turbulentos e desgovernados que vivemos. O gibi, da Abril, é uma compilação de histórias dos Irmãos Metralhas.

É um triunfo da raiva, do recalque e do jogo sujo. Não há nada que desculpe, que atenue, que explique o absurdo que este gibi representa.

É um insulto mesmo a não petistas como eu.

Estranhamente, uma vez que será lido por crianças que não atinarão com a brutalidade boçal e reacionária da história, tudo ali foi feito para agredir os petistas. Há tantas formas inteligentes de criticar o PT, e eis que aparece um gibi transformado num panfleto inútil e obtuso em sua agressividade delirante.

O título remete a um livro em que o blogueiro Reinaldo Azevedo compila parte de sua verborreia ultradireitista, o País dos Petralhas. Petralha é, em si, outro símbolo destes dias intelectualmente tenebrosos no campo da direita.

Pausa. Fui — rapidamente — ver o que Azevedo dizia sobre isso. Acabei topando com uma sucessão de agressões dele a Flavio Moura por ter cometido o crime de escrever um artigo no Valor em que critica alguns colunistas reacionários. Moura é tratado como “empregadinho” de Luiz Schwarcz porque é editor da Companhia de Livros. Me lembrou o caso de um conservador inglês que recentemente foi estraçalhado pela mídia por ter chamado policiais de “plebeus”. Para encerrar: Moura não escreveu, mas o declínio daquele tipo de colunista se manifesta, mais que tudo, nas sistemáticas surras eleitorais que tomam. Não estão convencendo ninguém, ou porque são simplesmente ineptos, ou porque a causa é ruim, ou por uma mistura de ambos os pontos.

Bem, de volta a petralha.

O gibi
O gibi

É um neologismo de Reinaldo Azevedo, e ninguém o usa tanto quanto o próprio autor, com evidente e infantil ufanismo. (Tolstoi não se ufanava de Guerra e Paz, e nem Shakespeare de Hamlet, mas Azevedo parece achar que merece reconhecimento internacional por petralha). Em escala muito menor, uns poucos conservadores falam em petralhas para diminuir petistas.

Note: petistas, e não delinquentes, em geral. É uma palavra com um alvo único: os petistas. Nenhum torcedor apaixonado chama um juiz de futebol, por exemplo, de petralha.

Há algum tempo, num gibi do Batman, da Panini, apareceu a palavra “petralha” como sinônimo de “nasty”, repulsivo. Quem optou por isso? Algum tradutor teria cometido essa barbaridade, ou um fundamentalista anônimo fez o ajuste na edição? Soube-se depois que alguém fez a emenda.

Petralha é um bom medidor de (in)decência no debate político nacional. Quanto mais essa palavra aparecer, mais incivilizadas estarão as discussões. O brasileiro gosta de neologismos. Mas este não é um neologismo: é uma estupidez, simplesmente.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!