Uma pergunta à PF, ao MP e ao Supremo: por que só o celular de Hang é indevassável? Por Moisés Mendes

Atualizado em 19 de setembro de 2023 às 7:00
O empresário Luciano Hang. (Foto: Reprodução)

O celular do delegado Anderson Torres tinha mensagens golpistas e, pelo que ficamos sabendo agora, até uma imagem sugerindo que Lula deveria ser enforcado.

Nada que surpreenda. Tios graduados e tios chinelões do zap tratavam do golpe como algo banal e trocavam imagens infantis e grosseiras, como essa da forca, que nem merece ser publicada aqui.

Mas se já sabemos tudo que importa do celular de Torres, aberto pela Polícia Federal porque o delegado forneceu a senha, e dos celulares de outros golpistas que liberaram acesso aos seus aparelhos, nada sabemos do celular de Luciano Hang, o autoproclamado véio da Havan.

O celular do coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, foi apreendido no dia 3 de maio deste ano. Menos de três semanas depois o conteúdo no aparelho e em nuvem estava aberto, sem que ele tivesse liberado as senhas. E logo ficamos sabendo que o celular tinha cópia de uma minuta do golpe.

Essa informação da Folha, logo abaixo, é decisiva para que se compreenda por que, depois de um impasse inicial, aparentemente foi tão fácil abrir o celular. A Folha informou, no dia 25 de maio:

“O acesso aos dados (do celular de Cid) só foi possível após o caso sair da superintendência da PF no Distrito Federal e migrar para a DIP (Diretoria de Inteligência Policial), localizada no prédio-sede da corporação, em Brasília.
A mudança de local ocorreu após a delegada Denisse Ribeiro, então responsável por todos os inquéritos relatados por Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), entrar em licença maternidade, em fevereiro de 2022.
O caso então passou a ser conduzido pelo delegado Fabio Shor, que fazia parte da equipe de Denisse e foi indicado por ela ao ministro do STF. É ele quem atua na investigação até hoje”.

Sabemos muito do que foi encontrado no celular do coronel, porque o aparelho foi devassado por uma equipe especializada. Mas o celular do véio da Havan continua fechado.

A Polícia Federal também conseguiu quebrar as senhas dos celulares do general da reserva Mauro Lourena Cid, pai de Mauro Cid, e de Frederick Wassef, advogado de Bolsonaro. Mas não consegue quebrar a senha do celular do véio da Havan, apreendido em 23 de agosto de 2022.

O general Mauro Lourena Cid. (Foto: Reprodução)

A PF apreendeu quatro celulares de Wassef no dia 17 de agosto deste ano. Quatro dias depois, anunciou que os celulares estavam abertos, porque as senhas tinham sido descobertas. E o celular do véio da Havan continua bloqueado.

O empresário continua sob investigação, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, como parte de um grupo de zap de oito tios milionários. Moraes informou que o sujeito se nega a oferecer sua senha à PF.

Seis dos outros tios do zap da turma de Hang foram liberados da investigação, em 21 de agosto, por Moraes. Só ele e Meyer Nigri, fundador da Tecnisa, continuam no inquérito.

Já se sabe que Nigri recebia mensagens golpistas de Bolsonaro, porque a PF também abriu seu celular. Mas Hang continua sendo investigado e há um ano a PF tenta acessar seu aparelho e não consegue.

Por que conseguiu acesso a todos os outros, menos ao celular do dono da Havan, 12 meses depois da apreensão?

Logo depois da ação da PF contra os oito tios do zap, Hang disse à CNN que tinha “mil por cento de certeza” de que não iriam encontrar nada de comprometedor no seu celular. Por que então, depois dessa declaração pública, ele se negou a fornecer a senha?

Será que abriram parcialmente e não encontraram nada mesmo? Será que ainda tentam chegar a outros compartimentos? Por que essa demora? Hang só tinha um celular?

Polícia, Ministério Público e Supremo devem saber qual é o mistério que envolve o celular indevassável do véio da Havan. Alguém deve saber. E todos nós precisamos saber.

(Lembrando sempre que o empresário do celular bloqueado é investigado pelo Supremo nos grandes inquéritos que começaram, em abril de 2019, sob relatoria de Alexandre de Moraes, com as fakes news, o gabinete do ódio e as milícias digitais e hoje englobam outros casos do bolsonarismo. Em maio de 2020, a PF fez busca e apreensão em endereços do empresário. Ele também foi investigado e teve seu nome enviado ao MP pela CPI da Covid, em outubro de 2021, como participante do gabinete paralelo do Ministério da Saúde na pandemia e sob a acusação de incitação ao crime. Nos dois casos, não foi indiciado e não há sinais públicos de avanço nas investigações. No caso dos oito tios do zap, ele também continua sendo apenas investigado.)

Publicado originalmente em Blog do Moisés Mendes

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link