Valter Pomar narra bastidores de uma disputa no PT ao homenagear David Capistrano Filho

Divulgação

Este texto foi publicado no blog de Valter Pomar. É uma homenagem ao médico David Capistrano Filho, que morreu em 10 de novembro de 2000.

Boa noite a todos, boa noite a todas.

Na divisão de trabalho desta homenagem, me coube falar da relação entre o David e o PT. E farei isto sempre que possível com base no que o próprio David disse ou escreveu.

Começo falando de um evento que ocorreu entre os dias 20 e 24 de novembro de 1987: o seminário internacional sobre os 70 anos de tentativas de construção do socialismo, organizado pelo Instituto Cajamar.

Foi um evento muito importante, que contou com a participação entre outros de Lula e de Prestes.

Terminado o seminário, editamos um livro com as atas do seminário.

20 anos depois, a Fundação Perseu Abramo republicou este livro em versão fac-símile.

Vou ler para vocês a fala do David, onde ele apresenta sua visão sobre o PT.

Apesar de todo o respeito que devo à memória de meu pai, que dedicou a vida e a morte à luta revolucionária no PCB, nós temos que, sem nenhuma espécie de reverência, dizer o seguinte: acabou. PCB, PC do B, a experiência de organização e de atividade política inspirada na experiência da III Internacional, “acabou”, é hoje uma expressão residual, não têm mais a menor importância quando se fala de esquerda, de movimento de massa, de unidade de esquerda. Quando a gente fala dos problemas da esquerda no Brasil hoje, temos que pensar nos problemas da organização política que é herdeira de um conjunto muito variado, muito vasto, muito amplo de experiências e de lutas populares dos trabalhadores de várias inspirações ideológicas, que é o PT. Até porque as outras correntes que se possa com muita generosidade chamar de esquerda no país não têm claramente um projeto partidário que permita uma articulação em termos de militância. É o caso da corrente pedetista, brizolista. Embora Brizola tenha prestígio, vai demonstrar isso nas futuras eleições presidenciais, não é uma corrente estruturada com a qual nós devemos nos medir, competir na disputa das entidades de massa e da influência política e ideológica no país. Muito menos essas coisinhas tipo partido socialista, essa coisa chamada esquerda do PMDB. A organização depositária da possibilidade de desenvolvimento e fortalecimento do movimento revolucionário, do movimento da classe trabalhadora, do movimento pelo socialismo no nosso país, é o Partido dos Trabalhadores, as forças, as correntes e os militantes que estão reunidos no Partido dos Trabalhadores. existe enorme desafio à frente do PT para que ele se converta efetivamente no organismo capaz de impulsionar e de dar uma consequência positiva, um final feliz à luta que todos nós desejamos vitoriosa pela transformação revolucionária de nossa sociedade.

Uma coisa importante que não pode faltar no projeto e no desenvolvimento do PT é a consciência do tamanho do desafio que nós temos que enfrentar, do tipo de sociedade em que nós vivemos, a reinterpretação daquele verso ufanista, “criança, não verás nenhum país como este”. Um país onde nós trabalhadores, os de baixo, o povo, nunca conhecemos o sabor de uma vitória plena. Nunca houve neste país um dia da caça, nunca. Todos os processos que em outros países levaram a afirmações vitoriosas de movimentos populares, de movimento de natureza revolucionária, de natureza rebelde, de cunho popular, aqui foram resolvidos por cima. Foi assim com a independência, foi assim com todo o processo de industrialização, de urbanização, de modernização vivida pelo país. Nós temos uma tradição negativa, uma carga pesada para revirar e para derrotar neste país, uma elite competente, classes dominantes competentes, que foram capazes de dirigir um processo rigoroso de transformação econômica do país, de industrialização, de urbanização, de criação de uma infra-estrutura de transporte e comunicação. Classes dominantes extremamente ferozes, que jamais hesitaram diante do uso de toda a sorte de meios para conservar a continuidade de seu poder e de sua dominação.

Não podemos jamais nos esquecer disso e incorrer em qualquer consideração a respeito de supostas facilidades que possamos enfrentar na nossa luta atual e no futuro. Nós vivemos num país, só para citar um pequeno exemplo, onde as classes dominantes foram capazes de adiar durante 60 anos uma medida que do ponto de vista da economia estava madura, como foi a abolição da escravidão, por conveniência política. Uma elite dominante que foi capaz, para manter a estrutura de poder, a estrutura social e o latifúndio no Nordeste, de impedir que o processo de industrialização do Sul do país se fizesse com a mão-de-obra, com o braço do trabalhador do Nordeste, e patrocinou para isto a importação da mão-de-obra da Itália, da Espanha e de tantos outros países.

Nós temos uma tradição e uma carga de ferocidade, de autoritarismo de um Estado que pode se orgulhar de uma história contínua, durante séculos, que nós nunca conseguimos derrotar, nunca conseguimos pôr abaixo. E evidentemente temos pela frente toda a herança desses anos de ditadura. São enormes desafios, enormes tarefas, para que a classe trabalhadora possa se apresentar como classe dirigente nacional, capaz de oferecer um rumo para este país. E ela é a única que pode se oferecer como classe dirigente nacional. Mais que nunca é necessário que nós nos preparemos para isto, ajudemos, lutemos nessa direção. Para essa tarefa de qualificar a classe trabalhadora como classe dirigente nacional nós temos de desenvolver plenamente a extrema originalidade do Partido dos Trabalhadores, originalidade que, aliás, radica principalmente em ter mais uma vez desafiado certos dogmas.

Um dos dogmas da concepção leninista, por exemplo, é uma idéia que posso chamar até de iluminista, a idéia de que temos que partir de um núcleo central, de um programa definido. É por isso que a esquerda disputa em torno de questões que para o comum dos mortais parecem bizantinas, parecem quinquilharias. Uma palavra diferente num programa é motivo de uma cisão, é motivo de racha. Isso tem lógica dentro da concepção leninista de partido, quando o partido se constrói como núcleo de intelectuais revolucionários profissionais que vão iluminar e conduzir as massas e vão transformar suas idéias em força através da adesão das massas trabalhadoras. O processo do PT é um processo difícil, tumultuoso, novo, porque é de cabeça para baixo, é a partir da luta, da experiência, a partir do enraizamento no mundo do trabalho, que vai se construindo esse instrumento de luta e esse instrumento de libertação. Mesmo sendo este processo invertido, novo, original, é necessário evidentemente que conquistemos pontes em direção ao mundo do saber, ao mundo da intelectualidade, em direção às camadas de onde não nasceu primeiramente o Partido dos Trabalhadores, mas sem as quais não conseguirá a classe trabalhadora se afirmar como classe dirigente nacional. Até por que a própria classe trabalhadora, como fruto de todo um processo de revolução técnica e científica, não vai mais sendo composta apenas do tradicional proletariado industrial, vai comportando em seu interior novas camadas que podemos classificar, de certa forma, de trabalhadores intelectuais.

Temos esses desafios pela frente a partir de nossa limpidez, a partir de nossa transparência, a partir do nosso radicalismo no sentido bastante saudável e necessário de ir às raízes. Vamos superar elementos, que temos ainda em nossa prática, de sectarismo, de intolerância, e construiremos um partido com essas pontes para o mundo do saber, com essas pontes para as camadas médias, com a condição de intérprete de uma vocação e de uma capacidade dirigente nacional da classe operária e dos trabalhadores, um partido que apresente a todos os lutadores a sua imagem de um partido que ele de fato é e precisa perseverar nesta direção, ideologicamente pluralista e generoso com todos que se situem no terreno da luta, aceitando a unidade de ação com todos que queiram brigar, com todos que estejam conscientes da necessidade de uma luta feroz, de uma luta tenaz, de uma luta difícil para derrubar essa elite brasileira, esta classe dominante brasileira e construir um país diferente, um Brasil socialista.

No PT, David foi da executiva do Partido no estado de SP, exatamente em 1988, quando ganhamos muitas cidades importantes, entre as quais Santos, onde ele assume a secretaria de Saúde.

Nessa época, ele também contribuiu ativamente nos debates sobre a crise do socialismo soviético, lutando para não jogar a criança fora junto com a água suja.

E contribuiu no debate sobre qual deveria ser a estratégia do PT, após as eleições de 1989.

Em 1993, ele participa da criação do movimento “A hora da verdade”, defende o presidencialismo e luta para que o PT se mantenha na oposição ao governo Itamar.

Ele e um companheiro de Franco da Rocha eram os únicos prefeitos petistas vinculados a este movimento “hora da verdade”.

E ele era super ativo.

Por exemplo: durante o 9º encontro estadual do PT em SP, David foi um dos autores de um documento, distribuído a todos os delegados, intitulado “A Carta aos delegados(as) da Articulação. Em defesa da verdade”.

O documento dá uma ideia de como David pensava, neste momento, a luta interna no PT. Segue a íntegra:

Pela primeira vez, a Articulação se apresenta dividida num encontro estadual: duas teses, duas chapas, dois candidatos a presidência.

De um lado estão os defensores da tese Por um governo democrático e popular, que lançaram no início do ano o Manifesto A hora da verdade e que defendem Arlindo Chinaglia para presidente estadual do PT. De outro lado, estão os signatários da tese Unidade na Luta.

Essa divisão criou a expectativa de que o 9º Encontro Estadual seria marcado pelo debate franco das divergências. Não é isso o que está acontecendo.

Os mesmos companheiros que há menos de 60 dias propunham que o PT namorasse o governo Itamar, agora fazem discursos de inflamada oposição.

Os mesmos que defendiam uma política de alianças baseada em negociações eleitoreiras, agora disputam para ver quem ataca mais o PSDB.

Os mesmos “notáveis” que ainda ontem tentavam dirigir o partido através da imprensa, agora se apresentam como os campeões da democracia interna.

Os mesmos que hoje dizem defender a unidade da Articulação, ontem propunham formar uma tendência reunindo a Articulação com o Projeto para o Brasil, dos deputados José Genoíno e Eduardo Jorge, na conhecida Operação Comodoro.

Os mesmos que criticam a Articulação Hora da Verdade por buscar a unidade da esquerda petista, já consumaram um acordo político e eleitoral com a direita petista. Acobertam aqueles que defendiam a ida do Partido para o governo Itamar. Absorvem os que propunham aproximar nosso partido do governo Fleury. Protegem aqueles que chamaram a militância de burra, por ter optado maciçamente pelo presidencialismo. Defendem aqueles que querem levar o PT para a socialdemocracia.

Esta atitude dos que dirigem a Unidade na Luta está impedindo a discussão política no Encontro. Este jogo de cena, este oportunismo de palanque, destina-se a confundir os delegados e a garantir o controle da direção partidária.

Nós, militantes da Articulação, signatários da tese Por um governo democrático e popular, entendemos que a apresentação leal das divergências faz parte da ética na política. Repudiamos os conchavos de que participa um pequeno número de dirigentes. Preferimos deixar claro o que pensamos.

Achamos que para dirigir a campanha Lula e a ação partidária, num momento em que a burguesia tenta desqualificar nosso partido e nosso candidato a presidente, é necessária uma direção firme, que recuse as ambiguidades e as vacilações.

Uma direção que busque atrair e dirigir nossos aliados, e não seguir a seu reboque. Uma direção que tenha a ousadia de proclamar a falência das elites dirigentes do país, a necessidade de reformas profundas, e que tenha a coragem de assumir os enfrentamentos que a mudança vai exigir de um governo democrático e popular.

Com base nesse programa e num partido democratizado, coerente e revitalizado, se tornará possível realizar uma campanha eleitoral de massas, um verdadeiro movimento por reformas estruturais, que ganhe milhões não apenas para votar mas principalmente para apoiar ativamente um governo comprometido com o fim do apartheid social e com a luta pelo socialismo.

Esses são os motivos pelos quais apresentamos nossa tese, nossa chapa, nossos candidatos. Evitando os acordos de cúpula, garantiremos que a decisão seja realmente dos delegados, das bases.

Para que a unidade seja realmente construída na luta.

Neste 9º encontro, David fez uma fala memorável sobre a política de alianças, lembrando que ele como prefeito de Santos fazia alianças amplas, mas não se subordinava aos aliados de direita, mas sim os mantinha “na ponta do chicote”.

Aliás, o David era um orador poderoso.

A esquerda ganhou o encontro de SP, assim como ganhou o 8º encontro nacional do PT.

Nessa época, a revista Teoria e Debate publicou uma longa entrevista com dona Maria Augusta Capistrano, onde obviamente o pai de David e o próprio David foram muito citados.

Aliás, é um capítulo particular a influência, na personalidade de David, tanto do David pai, quanto da mãe.

Na citada entrevista, dia 1/12/1993, Maria Augusta diz o seguinte:

Fiquei muito satisfeita quando meu filho foi para o PT, porque eu acho que é o caminho certo para qualquer cidadão de esquerda. O PT é o partido em que as pessoas se encontram para tentar acertar. O PT hoje é o herdeiro das lutas da classe operária brasileira, o partido que defende os interesses da classe operária dentro de uma formulação de acordo com uma época que está se vivendo. Por isso, eu apóio o PT.

Em 1994 houve uma prévia para escolher a candidatura do PT ao governo de SP.

De um lado estavam os apoiadores de Dirceu.

De outro lado estavam os apoiadores de Telma.

David apoiou Telma, entendo que basicamente por razões internas a Santos.

Dirceu foi vitorioso, num processo muito duro, que incluiu uma reunião da CEE em que um cidadão compareceu armado.

Ficamos de fora do segundo turno estadual e David esteve entre os que defenderam apoiar Mário Covas contra Rossi, no segundo turno.

Passada a eleição, no 10º encontro nacional do PT em Guarapari, a esquerda do partido perdeu a maioria que tinha no Diretório Nacional do Partido.

Perdemos por 2 votos na chapa e por 16 votos na presidência.

Naquele encontro ocorreram vários episódios bizarros, entre os quais a crítica feita por Cesar Benjamin contra José Dirceu, no momento em que se faziam as defesas das duas candidaturas a presidência nacional do PT, de um lado o candidato da esquerda do Partido, o Hamilton Pereira (Pedro Tierra) e de outro lado o José Dirceu.

Sem entrar em detalhes, a coisa quase transformou-se em pancadaria generalizada.

Depois do encontro, David foi uma das pessoas que conversou com César Benjamim, privadamente.

David censurou Cesar Benjamin, entre outras coisas por não ter informado, previamente, o que diria no discurso.

Na conversa, César reconheceu que havia errado.

Mas logo depois, sem avisar previamente ninguém, César saiu do PT, comunicando isto através de um artigo publicado na Folha de SP.

A esquerda perdeu a direção nacional e a direção estadual de São Paulo.

Depois disso, veio a fase final do governo de David em Santos.

David era uma pessoa muito inteligente, muito culta e muito ativa.

E sua maneira de tratar as pessoas era muito peculiar.

Ele era capaz de te criticar publicamente de maneira quase ofensiva.

Mas também era capaz de se preocupar sinceramente contigo, no plano pessoal.

É também por isso, creio, que algumas pessoas guardem do David lembranças aparentemente antagônicas.

Do ponto de vista político, David não tinha absolutamente nada de sectário.

Estabelecido o objetivo, construía as alianças que fossem necessárias para aquele objetivo.

E do ponto de vista administrativo, era um cara muito interessante.

Ele era verdadeiramente animado pela ideia de que cabia ao poder público melhorar a vida das pessoas.

E colocava toda a sua energia e criatividade a serviço disso.

No ano de 1996, tivemos prévias para escolher a candidatura do PT à prefeitura de Santos.

Houve prévias entre Telma de Souza e uma outra companheira.

David não apoiou Telma.

O processo foi duríssimo, com direito novamente a diversas situações bizarras, entre as quais pessoas armadas na sede do Partido.

Telma venceu e, na campanha, ela manteve distância de David.

Como é óbvio que aconteceria, a divisão levou a nossa derrota.

Aliás, um registro.

Recentemente, nosso candidato a prefeito de Santos, o companheiro Douglas, respondendo a uma pergunta provocativa, denunciou como xenofobia e fascismo a atitude dos que, em Santos, diziam que David e outros eram “gafanhotos”, vindos de fora.

Infelizmente, não foi só na direita que se falava de gafanhotos. Mas sobre isso Douglas já disse o que teria que ser dito e recomendo a todos que vejam no YouTube o que ele disse.

O final do governo de David foi muito difícil. Outras pessoas aqui podem falar melhor deste período, bem como do que veio depois, essa fase da saúde família em São Paulo, com o Jatene.

No dia de seu enterro, foi emocionante ver as sirenes das ambulâncias tocando em sua homenagem, quando o cortejo passou em frente a um hospital em Santos.

Na cerimônia anterior a cremação, uma oração infelizmente não foi longa o suficiente para fazer David ressuscitar (de irritação).

David era uma pessoa singular, muito especial, muito capaz, muito trabalhador, muito politizado.

David teria sido um ótimo ministro da Saúde.

David teria sido um ótimo presidente nacional do PT.

E seguramente estaria comandando, dentro e fora do PT, a luta contra o social-liberalismo, a socialdemocracia e também contra certo “esquerdismo de redes sociais”.

E, principalmente, acho que ele estaria animando as pessoas, contra o baixo astral, contra a desesperança.

Tudo o que eu falei aqui, eu testemunhei pessoalmente. Outras situações que eu testemunhei, ficam para outra ocasião.

Quero terminar dizendo que ele era muito gozado, muito divertido. Por exemplo, dizia que não gostava de ver certos filmes sobre derrotas que sofremos na luta revolucionária, porque ele chorava.

David foi embora muito novo. Faz muita falta.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!