Vamos abrir! Abrir covas. Por Fernando Brito

Caixão com vítima fatal do coronavírus.

Publicado originalmente no Tijolaço:

Por Fernando Brito

Dez dias atrás, este blog tocou na evidência – nenhuma adivinhação que não fosse obviedade – de que as mortes pelo Covid-19 no Brasil seriam à base de mil por dia.

Chegaremos a isso e um pouco mais, amanhã, quando fechar-se a semana epidemiológica a que numeram como 22, acima da média das 900 mortes diárias da semana anterior.

Mas isso não é o pico.

Porque é enorme a expansão dos casos de contágio, dos quais ao menos 6% se tornarão, amanhã, cadáveres.

Estes eram 16.286 por dia na semana passada e agora, com esta semana a um dia de terminar, subiram a 19.600 e devem passar de 21 mil com os dados de amanhã.

Ninguém fala a verdade com todas as letras: com atual taxa de letalidade de hoje, que é de 6%, segundo os dados oficiais, significa que 1.615 pessoas morrerão só entre os que se descobriram contaminados hoje.

Mas estamos discutindo liberação do comércio, abertura de shoppings e academias de ginástica, numa grotesca vitória da morte, que se pode ver numa curva que, em lugar de se achatar, agudiza-se.

Infecções e mortes, durante este maio de morte, multiplicaram-se por cinco, e chegarão, no dia 31, a 500 mil e 30 mil, respectivamente. Faça a conta, mantendo esta velocidade, e atinja a inacreditável marca de 2,5 milhões de infectados e 150 mil corpos sem vida.

E daí?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!