Via Láctea pode estar coberta de planetas com oceanos e continentes como aqui na Terra, diz estudo

Publicado na SoCientífica

NASA, ESA e G. Bacon (STScI).

Há muito tempo, os astrônomos vêm olhando para o vasto universo na esperança de descobrir civilizações alienígenas. Mas para que um planeta tenha vida, a água líquida deve estar presente. A probabilidade desse cenário pareceu impossível de calcular, pois foi a suposição de que planetas como a Terra obtiveram sua água por acaso quando um grande asteroide de gelo atingiu o planeta.

Agora, pesquisadores do Instituto GLOBE da Universidade de Copenhague publicaram um estudo indicando que a água pode estar presente durante a própria formação de um planeta. De acordo com os cálculos do estudo, isto é verdade tanto para a Terra, Vênus e Marte.

“Todos os nossos dados sugerem que a água fez parte dos blocos de construção da Terra, logo desde o início. E como a molécula da água está ocorrendo frequentemente, há uma probabilidade razoável de que ela se aplique a todos os planetas da Via Láctea. O ponto decisivo para a presença de água líquida é a distância do planeta de sua estrela”, diz o Professor Anders Johansen do Centro de Formação de Estrelas e Planeta, que liderou o estudo publicado na revista Science Advances.

Usando um modelo de computador, Anders Johansen e sua equipe calcularam a rapidez com que os planetas são formados, e a partir de que blocos de construção. O estudo indica que eram partículas de poeira de tamanho milimétrico de gelo e carbono – conhecidas por orbitarem em torno de todas as estrelas jovens na Via Láctea – que há 4,5 bilhões de anos se acumularam na formação do que mais tarde se tornaria a Terra.

“Até o ponto em que a Terra havia crescido até um por cento de sua massa atual, nosso planeta cresceu capturando massas de seixos cheias de gelo e carbono. A Terra então cresceu cada vez mais rápido até que, após cinco milhões de anos, tornou-se tão grande quanto a conhecemos hoje. Ao longo do caminho, a temperatura na superfície subiu acentuadamente, fazendo com que o gelo nos seixos evaporasse no caminho para a superfície, de modo que, hoje, apenas 0,1% do planeta é composto por água, embora 70% da superfície da Terra esteja coberta por água”, diz Anders Johansen, que juntamente com sua equipe de pesquisa em Lund há dez anos apresentou a teoria que o novo estudo agora confirma.

A teoria, chamada ‘acreção de seixos’, diz que os planetas são formados por seixos que se aglomeram, e que os planetas então crescem cada vez maiores.

Anders Johansen explica que a molécula da água H2O é encontrada em toda parte em nossa galáxia, e que a teoria abre, portanto, a possibilidade de que outros planetas possam ter sido formados da mesma forma que a Terra, Marte e Vênus.

“Todos os planetas da Via Láctea podem ser formados pelos mesmos blocos de construção, o que significa que planetas com a mesma quantidade de água e carbono que a Terra – e, portanto, lugares potenciais onde a vida pode estar presente – ocorrem frequentemente ao redor de outras estrelas em nossa galáxia, desde que a temperatura esteja certa”, diz ele.

Se os planetas em nossa galáxia tivessem os mesmos blocos de construção e as mesmas condições de temperatura que a Terra, também haverá boas chances de que eles possam ter aproximadamente a mesma quantidade de água e continentes que nosso planeta.

O professor Martin Bizzarro, co-autor do estudo, diz:

“Com nosso modelo, todos os planetas recebem a mesma quantidade de água, e isto sugere que outros planetas podem ter não apenas a mesma quantidade de água e oceanos, mas também a mesma quantidade de continentes que aqui na Terra. Isso proporciona boas oportunidades para o surgimento da vida”, diz ele.

Se, por outro lado, fosse aleatório quanta água estava presente nos planetas, os planetas poderiam ter um aspecto muito diferente. Alguns planetas estariam muito secos para desenvolver vida, enquanto outros estariam completamente cobertos por água.

“Um planeta coberto por água seria, naturalmente, bom para os seres marítimos, mas ofereceria condições menos que ideais para a formação de civilizações que possam observar o universo”, diz Anders Johansen.

Anders Johansen e sua equipe de pesquisa estão ansiosos pela próxima geração de telescópios espaciais, que oferecerão oportunidades muito melhores para observar exoplanetas orbitando uma estrela que não seja o Sol.

“Os novos telescópios são poderosos. Eles usam espectroscopia, o que significa que, observando que tipo de luz está sendo bloqueada da órbita dos planetas em torno de sua estrela, pode-se ver quanto vapor de água existe. Ele pode nos dizer algo sobre o número de oceanos naquele planeta”, diz ele.

Com informações de Universidade de Copenhague.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!