Vidas paralelas: Eduardo Bolsonaro e Saif Kadafi, “embaixador” do pai até ser preso. Por Kiko Nogueira

Eduardo Bolsonaro e Saif, filho de Muamar Kadafi

Quando o Brasil pariu Bolsonaro presidente, não estava combinado que seus filhos atuariam como príncipes herdeiros, ocupando espaço no governo — extra oficialmente — para não dar na cara o nepotismo.

A cena não é nada diferente do que se viu com as crias dos ditadores africanos e dos líderes do mundo árabe.

Não há nada no currículo de Eduardo Bolsonaro, a não ser o parentesco, que justifique seu papel em Washington como embaixador.

Seus convescotes com membros do governo e do Congresso americanos nos últimos meses foram, segundo ele mesmo, uma tentativa de “abrir o canal e resgatar a credibilidade do Brasil”.

Resta para Ernesto Araújo, o chanceler nomeado por Jair, escrever artigos doidivanas denunciando o “marxismo cultural” e explicando como o chefe o mandou limpar o Itamaraty da “ideologia do PT”.

Eduardo resumiu suas credenciais: fritou hambúrguer e fez intercâmbio numa cidade remota.

A empresários e investidores americanos, já se apresentou como “o cara que está com o presidente durante os churrascos”.

Conversou com Jared Kushner, genro e conselheiro de Trump, judeu ortodoxo instrumental na decisão dos EUA de mudar a embaixada em Israel de Telaviv para Jerusalém, contrariando resolução da ONU.

Questionado sobre os planos do Brasil para isso, Eduardo foi enfático: ”A questão não é perguntar se vai. A questão é perguntar quando será”. 

Até agora, nada.

Eduardo Bolsonaro nos EUA (Foto: Paola de Orte/Agência Brasil)

Eduardo guarda semelhança — inclusive física — com Saif al-Islam Kadafi, segundo filho do ditador líbio Muamar Kadafi, assassinado em 2011 após 42 anos no trono.

Mais velho que Eduardo, com uma formação acadêmica sólida, Saif ficou amicíssimo de Jörg Haider, milionário líder da ultradireita austríaca, quando cursava Administração e Direção de Empresas em Viena. 

Eduardo é bróder de Steve Bannon, o estrategista de Trump, cabeça de uma fundação para partidos nacionalistas protofascistas chamada O Movimento.

Saif não ocupava cargo oficial no primeiro escalão, mas era o homem de confiança de Kadafi nas relações internacionais.

Tocou os acordos de indenização às famílias das vítimas do atentado de Lockerbie de 1988 e do atentado ao DC-10 da companhia UTA, de 1989.

Ao contrário de Eduardo, Saif era poliglota. Tido como um primeiro ministro de facto, era odiado pelos colaboradores diretos de Kadafi. 

Caiu em desgraça junto com o pai.

Capturado pela milícia Zintan após o fim da guerra civil líbia, foi condenado à morte em 28 de julho de 2015 por crimes contra a humanidade.

Em 2017, foi libertado e anistiado.

Anunciou em março que se candidataria a presidente da Líbia. Não deu em nada. Ainda tem contra si um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional.

Assim é a vida desses garotos mimados.

Uma hora a conta chega para o papai e para eles.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!