VÍDEO – “20 anos e nada”: motoboy diz por que desistiu de ação contra Maurício Mattar após ser agredido

Rodrigo Matos, o motoboy que foi agredido por Maurício Mattar em 1999, em São Paulo, após ter sofrido um acidente envolvendo o carro do ator, desistiu de obter uma reparação na Justiça.

Ele divulgou um texto em vários grupos de entregadores, divulgando seu vídeo no qual relata todo o processo:

‘Estou entrando em contato com todos os grupos de motoboys para  deixar todo mundo ciente de uma situação que se arrasta já há 20 anos na justiça de São Paulo. Meu nome é Rodrigo Matos e fui um dos primeiros motoboys da iFood. Ela no seu início se chamava Disck Cook. Comecei a trabalhar nessa empresa como todo mundo que começa a trabalhar de motoboy. Pra pagar as contas de forma honesta.

Nesse dia 1º de Maio de 1999, que era um sábado e dia internacional do trabalho estava trabalhando nessa empresa
e fui agredido numa entrega. Desde essa época estou lutando na justiça para um desfecho nesse caso. Fiz um vídeo simples sobre o que aconteceu (veja abaixo) . Peço a todos desse grupo, que é um grupo de motoboys que pelo menos compartilhem e divulguem o que está acontecendo.

Vejo algumas pessoas achando graça do que está acontecendo. Gostaria só de dizer que além do que está acontecendo fui também mandado embora da antiga Disck Cook um mês após a primeira greve que fizemos nessa empresa porque naquela época
trabalhávamos entregando comida o dia inteiro e não tínhamos direito nem a almoço nem nenhum tipo de ajuda,

Somente o que fazíamos de dinheiro nas entregas. Não sei como é a situação hoje nas entregas.  Acredito que deve ser a mesma coisa.  Movi um processo trabalhista contra a empresa e levei quase 10 anos para  receber meus direitos. Esse processo da agressão se arrasta já há 20 anos e não se tem nenhuma solução. São anos que tenho desembolsado dinheiro para custas de certidões de todos os tipos, honorários de advogados envolvidos no processo e nada é resolvido.

Pra se ter uma ideia o último pedido de meu advogado no ano passado foi de R$ 575,14 para pagamento de duas certidões e a retirada delas por um advogado no Rio de Janeiro. São 20 anos que tenho que ficar desembolsando essas quantias e quando elas aparecem tenho que arrumar o dinheiro do dia pra noite sob pena de arquivamento do processo. Não quero dinheiro de nenhuma forma de ninguém. Minha intenção não é que seja feita uma vaquinha par sejam pagos esses gastos.

Não vou gastar nem mais um tostão com nada nesse processo. Se tiver que ser arquivado que seja. Isso é um verdadeiro absurdo.
20 anos e não se conseguiu nem se levar essa pessoa a julgamento. Ele age como se simplesmente não estivesse acontecendo nada. Acredito que aja pessoas nesse grupo que já passaram por situações parecidas de pedidos de ajuda na justiça sem nenhum retorno.

Sei que esse acso não terá nenhuma solução e provavelmente sofrerei até consequências por estar expondo o que está acontecendo. Mas que assim seja. Minha única intenção é mostrar o que eu está acontecendo e que sirva de alerta a quem procura a jutiça nesse país. Agradeço desde já pelo compartilhamento. Por favor, se puderem pelo menos divulgar em grupos de motoboys pelo Brasil já agradeço bastante.’

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!