VÍDEO: Protesto em Londres contra Bolsonaro pede boicote às importações do Brasil. Por Joaquim de Carvalho

Este é o manifesto distribuído pelos manifestantes em Londres:

A Amazônia está sendo destruída pelo agronegócio e o extrativismo, viabilizados pelo governo brasileiro

Este sábado, 10 de outubro, é o Dia Global de Ação pela Amazônia.

O Amazon Rebellion, com o apoio do Extinction Rebellion (XR) Brasil, XR UK, XR London, Animal Rebellion, XR Music and Sounds, XR Spain, XR Canada, XR San Francisco, XR Paris, XR Rome, XR Lisbon e XR Australia, estará presente do lado fora da Embaixada do Brasil em Londres das 14h00 até as 17h00 para uma ação pacífica.

Alguns nomes de empresas responsáveis pela destruição da floresta amazônica serão expostas, incluindo Tesco, Sainsbury’s, McDonald’s, Burger King e Subway, juntamente com um pedido de boicote das mesmas no Reino Unido e em todo o mundo.

Também serão entregues duas cartas abertas ao Bolsonaro, uma de ativistas do Brasil e outra da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

A APIB é uma instância de referência nacional do movimento indígena no Brasil, criada de baixo pra cima, ela aglutina as organizações regionais indígenas e nasceu com o propósito de fortalecer a união destes povos fazendo a articulação entre as diferentes regiões e organizações indígenas do país, além de mobilizar os povos e organizações indígenas contra as ameaças e agressões aos direitos indígenas humanos e territoriais.

Haverá discursos de cientistas, ativistas do Reino Unido e do Brasil e apresentação musical incluindo tambores e outras apresentações ao vivo, incluindo a estreia de uma nova peça de coral.

A floresta amazônica é fulcral para a estabilidade do clima e dos ecossistemas da Terra. Décadas de desmatamento e extrativismo mineral destruíram cerca de 20% da floresta, e as taxas de desmatamento estão subindo em vez de parar, à medida que o lobby do agronegócio brasileiro e outras indústrias extrativas, financiadas por mercados internacionais, buscam estender seu alcance.

A Amazônia está agora dentro da zona de perigo de um ponto crítico planetário previsto por cientistas, em torno da marca de desmatamento de 20-25%; além disso, a floresta tropical corre o risco de secar e se transformar em uma savana, liberando bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera e precipitando uma catástrofe climática.

Só em 2019, cerca de 10.000 km2 da Amazônia foram perdidos, principalmente no Brasil; uma área quase do tamanho do Líbano, com grandes ecocídios também ocorrendo na Amazônia boliviana e em toda a bacia amazônica. Quase essa área novamente já foi perdida em 2020.

O desmatamento total da Amazônia agora ultrapassa 800.000 km2; uma área do tamanho de Moçambique. Incêndios, agronegócio, pecuária, megamineração, derramamento de hidrocarbonetos, biopirataria, usinas hidrelétricas e expansão sem fim de estradas estão entre as muitas ameaças que invadem cada vez mais ecossistemas antigos e insubstituíveis, reservas primitivas e territórios indígenas ancestrais.

Este ano, um número recorde de incêndios foi registrado no Pantanal – a maior área úmida tropical do planeta. No total, 15.756 incêndios foram detectados na região até agora, em comparação com 5.109 no mesmo período do ano passado. Esse número é o triplo do registrado no mesmo período de 2019.

O Centro Nacional de Prevenção de Incêndios Florestais (Prevfogo) calcula que 2,9 milhões de hectares do Pantanal, mais de 20% de sua área, foram queimados até agora em 2020, causando devastação para ecossistemas únicos, vida selvagem e espécies ameaçadas de extinção, como a onça-pintada.

No Brasil, a pressão incessante sobre territórios e recursos naturais do agronegócio e das indústrias extrativistas está resultando em etnocídio e ecocídio sistematizado na Amazônia, afetando pessoas e inúmeras outras formas de vida.

Essa destruição é perpetrada por empresas como JBS, Cargill, Marfrig, Minerva e Bunge, financiadas pela BlackRock Vanguard, State Street, Legal & General e bancos como Legal & Genera, BNP Paribas, Santander, Barclays e HSBC. Soja, carne bovina, couro e outros produtos da destruição da Amazônia entram no Reino Unido por meio de cadeias de suprimentos globais; esses produtos chegam aos supermercados e varejistas de fast food, incluindo Tesco, Sainsbury’s, Asda, SPAR, Costco, Islândia, Morrisons, McDonald’s, Burger King, Subway, Nandos, Domino’s, Yum Brand – a empresa controladora da Taco Bell, KFC e Pizza Hut e outros.

Em 2018, 95% das cerca de 28.000 toneladas de corned beef importadas para o Reino Unido vieram do Brasil. Metade disso foi produzido pela JBS, fabricantes da marca comum de supermercado e atacado ‘Hertford’. Acredita-se que apenas os fornecedores da JBS sejam responsáveis por até 32.000 hectares de desmatamento na Amazônia por ano.

Marcas de alimentos para animais de estimação Mars (Whiskas, Pedigree e Royal Canin) e nomes conhecidos como Danone, Kraft Heinzbrand, que inclui Heinz Beans, Philadelphia, Capri Sun e HP Sauce, Univeler, Procter & Gamble, Nestlé, Pespico, Coca-Cola, Nike, Adidas e Gucci estão todas implicadas ou já foram relatadas como associadas a atividades extrativistas ecocidas e genocidas na Amazônia.

Algumas dessas empresas têm divulgado declarações sobre suas políticas verdes, no entanto, o mínimo de evidências ou transparência está disponível para os consumidores sobre as intenções dessas empresas. As comunidades indígenas no Brasil, que entendem que a floresta é sagrada, estão defendendo a Amazônia contra todas estas ameaças para o benefício da humanidade e do planeta; por isso estão sob intensa pressão e ameaçados por uma escalada de violência.

Os assassinatos de defensores ambientais no Brasil estão entre os mais altos do mundo. Para Sonia Bone Guajajara (Coordenadora Executiva da Associação dos Povos Indígenas do Brasil: APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), em um momento de pandemia, a falta de demarcação territorial deixa as populações indígenas ainda mais vulneráveis: “Não estamos apenas expostos ao coronavírus, continuam os crimes cometidos por madeireiros, garimpeiros e grileiros, com intensas violações de direitos e destruição de nossa natureza.

Precisamos de políticas preventivas, de ajuda humanitária e políticas eficazes de proteção ambiental para evitar invasões, que são uma fonte constante de contaminação causadora de doenças nos territórios ”.

Ao mesmo tempo, o presidente Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, continuam a assinar políticas que criam retrocessos devastadores para o meio ambiente e os direitos humanos. Como consumidores e clientes em potencial, temos o poder único sobre as empresas que lucram com essa destruição. Devemos usá-lo para exigir uma regulação!

O governo do Reino Unido precisa exigir um boicote global às importações brasileiras até que parem a destruição ecocida e o genocídio dos povos indígenas remanescentes.

Chega de ecocidio!

Chega de genocidio!

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!