VÍDEO – “Se eu pegar essa oferta, serei ladrão”: como Edir Macedo se explicou a seus fieis. Por Kiko Nogueira

 

Em 1684, o francês Jacques Abadie, pastor e teólogo protestante baseado na Alemanha, Inglaterra e Irlanda, escreveu o “Tratado Sobre a Verdade da Religião Cristã”.

No capítulo 2, formulou o seguinte: “Ont peut tromper quelques hommes, ou les tromper tous dans certains lieux & en certains temps, mais non pas tous les hommes, dans tous les lieux & dans tous les siécles.”

Numa tradução mais ou menos na raça: “Você pode enganar alguns homens ou enganar todos os homens em alguns lugares e épocas, mas não pode enganar todos os homens em todos os lugares e épocas”.

Num vídeo postado numa página oficial da Universal no Facebook, um tal Centro de Ajuda Portugal, Edir fez uma confissão durante um culto provavelmente realizado no Templo de Salomão, sua pirâmide pagã.

Ao falar que os fieis devem pagar o dízimo — “oferta”, segundo ele —, ele inicia uma estranha peroração sobre a obrigação divina de abençoar o sujeito que abriu a carteira.

“Você deu pra Deus e ele tem a obrigação de abençoar você”, afirma ele, do palco.

“Quem tem fé em Deus diz: “Tá aqui, ó, agora eu quero a resposta. Quando você dá pra Deus, você não tá dando pra mim”.

E então admite: “Se eu pegar essa oferta, eu serei ladrão. [Isso é] pra pagar as contas da obra dele: televisão, rádio, alugueres etc etc”.

A plateia vai respondendo em coro às perguntas retóricas do bispo, um dos homens mais ricos do Brasil.

Ele se declara ladrão, dá um sambarilove, e segue o baile.

Os fieis dão a grana ao Senhor, mas como o Senhor não tem conta no banco, depositam na conta de Edir Macedo.

Um efeito paralelo da eleição de Jair Bolsonaro foi a exposição das organizações evangélicas e suas práticas.

Tudo em nome da defesa intransigente dos valores da família. Vamos evangelizar os índios. Pagar impostos, nem pensar.

Edir conta o que faz publicamente. E a plateia? Nada.

Onde está a religião? Onde está a moral cristã? Onde está o pastor Abadie? Onde está Deus, pelamordedeus?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!