VÍDEOS: Enquanto bacanas como Jerry Smith se aglomeram em baladas chiques, jovem apanha da PM na rua

Evitar aglomerações é uma questão de saúde pública, mas truculência, abuso de autoridade e violência não são a solução para esse problema

Lagoa da Conceição quarta-feira (6)@pmscoficial @CarlosMoises@MPF_SC @g1sc #COVID19 #coronavírus #Aglomera #truculência pic.twitter.com/WkbATiUSLy

— Brazil Covidfest (@BCovidfest) January 9, 2021

Vídeos postados pela conta BrazilCovidfest mostram que a repressão aos eventos que facilitam a transmissão do coronavírus assumiu um caráter de classe em Santa Catarina.

Enquanto os ricos se aglomeraram nas baladas chiques, inclusive em barcos, sem serem incomodados, os que não têm acesso a esses locais e irresponsavelmente se aglomeram nas ruas recebem outro tipo de tratamento.

Na semana passada, na Lagoa da Conceição, em Santa Catarina, quma jovem recebeu uma gravata e foi jogada ao chão por um policial enquanto outros apontavam armas para quem tentava interferir.

A jovem é uma irresponsável, como os bacanas que vão às baladas em Jurerê Internacional. Mas estes estão blindados. A única reclamação deles é que estão sendo obrigados a deixar o celular na recepção da casa La Belle, por exemplo.

A gerência da casa diz que é para curtirem mais a festa (da covid), mas todos sabem que é para evitar a divulgação de vídeo com gente aglomerada.

Há pessoas, sobretudo os mais jovens, que não se conscientizaram de que o ser humano é o vetor do vírus. Ele faz a transmissão e, ainda que contaminado não morra, ele certamente vai contaminar outras pessoas, que podem não ter a mesma resistência.

O Brasil voltou a registrar a média de mais de mil mortes por dia de covid-19. Ontem, segundo consórcio de imprensa, a média móvel de mortes foi de 1.016, a maior desde 10 de agosto do ano passado.

A média móvel elimina os números altos do meio da semana e baixo dos fins de semana, distorções estatísticas. Covid mata e quem dolosamente não se previne, como o ocupante do Palácio do Planalto, é corresponsável pelas mortes. Mas não só ele.

No vídeo abaixo, vê-se o cantor Jerry Smith, ao lado de uma mulher e de um amigo que seria policial, em uma balada certamente clandestina.

Ciente da impunidade, o cantor ainda postou o vídeo:

 

 

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!