VÍDEOS: Macron fala como estadista sobre o coronavírus e Bolsonaro como chefe de facção

Bolsonaro na live antes do pronunciamento

Emmanuel Macron, presidente da França, e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, fizeram, cada qual, um pronunciamento na quinta, dia 12, sobre o avanço do coronavírus.

O primeiro discursou como estadista durante 25 minutos. O segundo como chefe de facção durante 2 intermináveis minutos.

Vamos ignorar o semblante carregado, a fala trôpega, a cara inchada, e focar no conteúdo.

“É a pior crise de saúde que o país enfrenta em um século”, afirmou Macron.

Anunciou o fechamento de escolas e universidades “até segunda ordem”. A medida passa a valer na segunda.

Pediu a todas as pessoas com mais de 70 anos, doentes crônicos ou com problemas respiratórios que fiquem em casa o máximo possível e que empresas facilitem o trabalho à distância.

As eleições municipais do fim de semana devem seguir em frente, após aconselhamento de especialistas em saúde pública.

Reconheceu que deve haver medidas de fechamento de fronteira em coordenação com a União Europeia.

“Mas precisaremos tomá-las quando forem pertinentes”, ressaltou.

“O vírus não tem passaporte. Temos de coordenar nossas forças e cooperar. Viva a República, viva a França”.

Abaixo, o abismo entre dois mundos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!