Wajngarten desafia CPI da Covid ao ser questionado sobre declarações de Bolsonaro: ‘Pergunte a ele’

Wajngarten depõe na CPI da Covid

O depoimento da Fabio Wajngarten, ex-secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República, à CPI da Covid começou de forma apagada para quem imaginava polêmica e revelações bombásticas.

Em declaração recente, Wajngarten disse que partiu do marqueteiro do general Eduardo Pazuello, Markinho Show, insinuações de que ele tinha interesses pessoais ao tentar viabilizar a aquisição de vacinas da Pfizer.

O ex-secretário de Comunicação da Presidência acusou o marqueteiro de Pazuello de ter espalhado boatos de que ele estaria se beneficiando pessoalmente caso o negócio entre o governo e a farmacêutica americana fosse concretizado.

“Nunca fiz nenhum ataque ao ministro Pazuello, nunca falei dele. Aí me surge um marqueteiro genial chamado Markinho Show, que resolve soltar notas para todos os jornalistas de Brasília para me atacar… Foi a a gota d’água para eu sair do governo”, relatou o publicitário, após dizer que a gestão de Pazuello no ministério da Saúde  foi marcada por “incompetência e ineficiência”.

Na CPI, Wajngarten negou tudo e está apenas se esquivando das perguntas formuladas pelo relator Renan Calheiros, defendendo o governo e Jair Bolsonaro.

“As declarações do presidente pertencem a ele”, disse após Renan enumerar diversas declarações negacionistas de Bolsonaro durante a crise da pandemia.

Renan queria saber que impacto as declarações do presidente teria no imaginário da população em meio ao caos da pandemia: “Pergunte a ele”, devolveu Wajngarten.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!