Washington Post fala em “nuvem de suborno” sobre a vacina da Sinovac e cita Doria

Governador de São Paulo (esquerda), João Doria, é um dos defensores da coronavac. Foto: Divulgação

Publicado originalmente no site do Washington Post

POR EVA DOU

A fabricante chinesa da vacina para o coronavírus, Sinovac Biotech, é boa em colocar seus produtos no mercado. Foi a primeira a iniciar os testes clínicos de uma vacina contra a SARS em 2003 e a primeira a trazer uma vacina contra a gripe suína aos consumidores em 2009.

De acordo com registros em tribunal, seu CEO estava subornando o regulador de drogas da China para aprovações de vacinas durante aquele tempo.

A Sinovac agora busca fornecer sua vacina contra o coronavírus para países como Brasil, Turquia e Indonésia . Embora a corrupção e a fraca transparência tenham atormentado por muito tempo a indústria farmacêutica da China, raramente a confiabilidade de um único fornecedor de medicamentos do país teve tanta importância para o resto do mundo.

A empresa é uma das duas pioneiras da vacina contra o coronavírus na China, com seus testes clínicos no mesmo estágio final que os da Moderna e da Pfizer-BioNTech. Internamente, a vacina da Sinovac está em segundo lugar, com os imunizantes da estatal Sinopharm. Outra vacina chinesa, desenvolvida pela CanSino e um instituto de pesquisa militar, foi aprovada para uso emergencial pelos militares da China.

Autoridades do Brasil e da Indonésia – as nações mais populosas da América Latina e do Sudeste Asiático – afirmam que coronavac pode ser aprovado nas próximas semanas. No Brasil, o governador de São Paulo, João Doria , considerou a vacina mais segura que o país já testou.

A empresa chinesa ainda não divulgou os dados de eficácia, tornando incerto se sua vacina pode proteger os receptores com tanto sucesso quanto as vacinas da Moderna e Pfizer, que foram mais de 90% eficazes nas análises preliminares.

Sinovac reconhece suborno

A Sinovac reconheceu o caso de suborno envolvendo seu CEO, dizendo em documentos regulatórios que ele cooperou com os promotores e não foi acusado. Yin Weidong disse em depoimento que não poderia recusar pedidos de dinheiro de um oficial regulador.

A companhia não se envolveu em escândalos de segurança e não há evidências de que qualquer uma das vacinas aprovadas em casos de suborno fosse com defeito. Mas alguns especialistas médicos dizem que o escrutínio extra das alegações da Sinovac sobre medicamentos é justificado, dado seu histórico de flexibilidade moral.

“O fato de a empresa ter um histórico de suborno lança uma longa sombra de dúvida sobre suas alegações de dados não publicados e não revisados ​​por pares sobre sua vacina”, disse Arthur Caplan, diretor da divisão de ética médica do New York University Langone Medical Center. “Mesmo em uma praga, uma empresa com um histórico moralmente duvidoso deve ser tratada com grande cautela em relação às suas reivindicações.”

Embora a história de suborno da Sinovac tenha levantado preocupações entre os investidores da empresa listada na Nasdaq, apenas nos últimos meses seu histórico adquiriu tais implicações globais. Os governos estão pesando os riscos de novas vacinas de empresas como a Sinovac contra a certeza de mais mortes se a pandemia continuar.

Uma revisão de registros públicos e testemunhos de ensaios pelo The Washington Post reflete que a ascensão da Sinovac às primeiras fileiras da indústria de vacinas da China ocorreu com a ajuda de projetos prioritários de Pequim e propinas a funcionários que ajudaram nas revisões regulatórias e acordos de vendas. Vários detalhes dos processos judiciais não foram relatados anteriormente, em parte por causa da mídia censurada da China.

No testemunho do tribunal de 2016, Yin Weidong, admitiu ter dado mais de US $ 83 mil em subornos de 2002 a 2011 para um oficial regulador supervisionando as análises de vacinas, Yin Hongzhang, e sua esposa. Yin Hongzhang confessou em troca expedir as certificações de vacinas de Sinovac.

Esses anos corresponderam ao período de ruptura de Sinovac, quando a startup de biotecnologia fundada em 2001 foi escolhida a dedo por funcionários de Pequim para liderar o desenvolvimento de vacinas para SARS, gripe aviária e gripe suína.

Yin Hongzhang, que compartilha o sobrenome com o CEO da Sinovac, mas não é parente, foi condenado em 2017 a uma década de prisão por aceitar subornos da Sinovac e de sete outras empresas. Yin Weidong da Sinovac, agora com 56 anos, não foi acusado e continua a supervisionar a campanha de vacinação contra o coronavírus da empresa este ano.

Para a companhia chinesa, esse caso não foi único: pelo menos 20 funcionários do governo e administradores de hospitais em cinco províncias admitidos em tribunal por aceitarem subornos de funcionários da Sinovac entre 2008 e 2016″.

Leia a reportagem completa aqui.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!